A Conversão de Israel

24/06/2018

A Conversão de Israel

26 de setembro de 2014

São José-SC

Diógenes Dornelles

[O pastor Valter Paulino está falando - Ed.]

...O estudo que ele está trazendo a nós. O nosso irmão Diógenes... para nós sempre vai ser um prazer ter esse irmão conosco, pelo seu espírito maravilhoso que está nele, e pelo dom que Deus tem dado a ele, de sabedoria para poder trazer a interpretação daquilo que Deus tem trabalhado pelo Seu profeta e pelo nosso irmão Lee, aonde ele está trabalhando para fazer a tradução dessas mensagens que nós recebemos do irmão Lee e do irmão Brian, o Pão para nós, que trouxe uma bênção muito grande, porque nós obtemos mais conhecimento, porque Deus abriu os olhos do nosso entender nesta revelação, e nós podemos crescer em mais uma porção para a estatura perfeita. ["Amém"; "Aleluia"]

Assim que Deus abençoe o nosso irmão Diógenes... Ele realmente faz a parte introdutória das mensagens do irmão Lee e do irmão Brian, quando ele traduz, porque ele faz a sua introdução, a qual ela é muito maravilhosa; muito boa para nós. Eu quero dizer: "Parabéns, irmão Diógenes", ["Amém"] pela parte introdutória que ele faz, abrindo assim porções e conhecimento para nós ao lermos a mensagem e entender também as coisas. ["Amém"]

Assim que nosso irmão Diógenes... o qual ele irá viajar para o México. No próximo mês ele irá viajar para o México para contrair o casamento com nossa irmã Rebeca, a qual lá está, aonde ele irá realizar o seu casamento no México e depois lá pelo mês de dezembro, com certeza, ele estará retornando ao nosso país trazendo já a sua Rebeca com ele, e que Deus possa dar também um "Isaque" para ele... ["Amém"] Deus conceda a ele, né? [O Pastor Valter ri - Ed.] Essas bênçãos maravilhosa para o nosso irmão Diógenes.

Assim que o nosso irmão Diógenes também é aquele irmão que está ajudando bastante ao ministério de William Branham, quando ele está ajudando a nos trazer mais e mais ênfase naquele ensinamento do irmão Lee e do irmão Brian. Ele está realmente trabalhando ao lado do irmão Branham para colocar uma igreja numa posição de conhecimento. Não o conhecimento intelectual do homem e nem o dom... que todos os dons são dados ao homem sem arrependimento, mas os dons que Deus tem realmente mandado a nós para trazer a explicação para a igreja em um crescimento. Há muitos dons espalhados por aí, mas são dons que não são dados por Deus para esta obra. Sabemos que tudo isso contribui, não é verdade? ["Amém"] É a chuva que cai, sementes são semeadas, e assim esses dons estão espalhados por toda parte. Mas onde tem o verdadeiro, também com certeza aparecem os falsos. ["Amém"] Mas como nós temos o verdadeiro, nós conhecemos onde está atuando os falsos.

Assim nós passaremos para o irmão Diógenes... Amanhã e domingo para Itajaí eu não sei qual dos motoristas que irão. Eu estou (...?...) Vai eu, mais o irmão Diógenes, minha esposa, não é verdade? Então com certeza tem um lugar para o motorista... não sei quem vai. Depois me procurem e me ligam, né? [O ir. Diógenes diz: "Deus proverá"] Irmão Diógenes, fique agora com a palavra. Deus te abençoe. Passando para o irmão Diógenes.

Obrigado. Deus te abençoe, pastor. [O Pr. Valter responde: "Obrigado"] Boa noite amada igreja. Saúdo a todos com a graça e a paz do nosso Senhor Jesus Cristo. ["Amém"] Amém. Sim, nós estamos, como disse o pastor Valter, fazendo um trabalho de tradução dos estudos doutrinários, como nós comumente chamamos de "Doutrina da Mensagem", e quando se fala em "doutrina da Mensagem" nós tentamos levar isso ao pé da letra: "Doutrina da Mensagem". O que é essa Mensagem? É tudo o que o irmão Branham falou. Tudo! Amém? ["Amém"] Nós não nos focamos em um único tema específico. É claro que quando há a necessidade, quando há uma falha de entendimento, nós temos que nos demorar e dar mais atenção e um foco a um tema específico, mas nós não podemos nos limitar apenas a esse tema; nós temos vários temas. Nosso objetivo é sempre tentar abordar tudo o que o irmão Branham falou, porque ele falou de vários mistérios; revelou vários mistérios de Deus para a Igreja; tornou esclarecidas várias coisas que estavam na Bíblia e que muitos não compreendiam.

Nós entendemos que nas mensagens de William Branham você tem a chave de interpretação das próprias Escrituras. Muitas coisas da Bíblia você até então não conseguia entender, mas com os sermões do irmão Branham você tem o que eu chamo de uma "chave". Você entendendo a Mensagem você entende a Bíblia, e entendendo a Bíblia você entende a Mensagem, ["Amém"] porque são duas coisas que estão juntas.

O tema que eu vou tratar hoje é um verdadeiro desafio para mim, porque eu não me considero qualificado para falar sobre isso. Mas a razão de eu querer tratar sobre esse tema hoje é devido a carência e a falta de tempo que muitos ministros dessa Mensagem estão dedicando a isso. Eu quero falar hoje um pouco sobre a conversão de Israel, do povo judeu. Sim, os ministros da Mensagem aí fora desconsideraram totalmente este tema. Israel não é abordado hoje nos púlpitos. E você sabe que eu raramente posso vir aqui, então das vezes que eu venho, eu tenho que trazer temas que realmente sejam específicos e que eu considero necessários.

Então se eu trouxe esse tema para vocês aqui hoje é porque eu realmente considero extremamente necessário. Há uma carência muito grande nesta área. Não estão tocando neste assunto, e por consequência, eu creio que talvez o povo da Mensagem não tenha um entendimento correto sobre esse tema. Há muitas teologias desenvolvidas por igrejas ditas "cristãs" a respeito de Israel; a respeito do povo judeu; e nós temos que estabelecer aqui o que o irmão Branham pensava acerca dessas teologias; se ele estava de acordo ou se isso está de acordo com a sua mensagem.

Há alguns judeus também crendo nesta Mensagem. Conheço ministros dessa Mensagem que são judeus, descendentes de judeus, e pode haver ainda outros judeus ainda que talvez sejam da semente da eleição, a eleição que é segundo a graça, e que talvez por algum motivo ainda não recebeu a Mensagem porque desconhecem o que o irmão Branham falou acerca deles e do povo de Israel. E eu quero tratar um pouco desse assunto; até para tentar preparar um material para ajudar a outros, seja os que estão na Mensagem como também para aqueles que ainda não creem na Mensagem, e que talvez depois que vierem tenham essa dúvida: "O que o irmão Branham falou sobre Israel? Onde eu posso encontrar?" E pouca coisa se tem a respeito disso; pouco material a respeito desse assunto. Amém? Então eu vou pedir para que você tenha um pouco de paciência comigo, porque esse é o nosso tema de hoje: "A Conversão de Israel". Amém? ["Amém"]

Então vamos abrir nossas bíblias, por favor, na carta de Paulo aos Romanos capítulo 11, vamos ler a partir do versículo 25. Romanos capítulo 11, a partir o versículo 25; vamos ler até o versículo 29... Amém. Todos? Certo. Romanos 11:25. Diz assim a Palavra do Senhor.

Romanos 11:25-29

Porque não quero, irmãos, que ignoreis este mistério (para que não sejais presumidos de vós mesmos): que veio endurecimento em parte a Israel, até que haja entrado a plenitude dos gentios. E, assim, todo o Israel será salvo, como está escrito: Virá de Sião o Libertador, e Ele apartará de Jacó as impiedades. Esta é a Minha aliança com eles, quando Eu tirar os seus pecados. Quanto ao evangelho, são eles inimigos por vossa causa; quanto, porém, à eleição, amados por causa dos patriarcas. Porque os dons e a vocação de Deus são irrevogáveis.

Vamos orar ao Pai. Pai celestial, Deus bendito. Louvamos a Ti por esse momento especial que tivemos até agora, onde entoamos cânticos, louvando e engrandecendo a Ti. Te louvamos e Te agradecemos por tudo, Senhor. E também Te agradecemos por mais uma oportunidade de estarmos aqui para ouvir a Tua Palavra, Senhor. Nós talvez não tenhamos as qualificações, mas Tu podes, Senhor, falar conosco. ["Amém"] E é o que eu te peço agora, Senhor. No Nome do Teu Filho amado Jesus Cristo, que Tu possas me dar o entendimento da Tua Palavra para expor para os Teus filhos aquilo que eles precisam saber acerca daqueles que Tu mesmo chamaste de "a menina dos Teus olhos", que é o Teu povo, o povo de Israel. Ajude-nos a ter a compreensão, o entendimento dessa Palavra, deste mistério que o Teu profeta nos trouxe, Senhor, da cegueira de Israel. Por que houve essa cegueira? Como ela será desvelada? Como que o Teu povo terá os seus olhos abertos? Ajude-nos Senhor. É disso que queremos tratar. Abrimos agora os nossos entendimentos, Senhor. Te damos liberdade agora, Senhor, em Nome de Jesus Cristo, para que Tu fale com cada um de nós aqui. É o que nós Te pedimos e Te agradecemos. Amém.

Sublime graça do Senhor, que a um infeliz salvou.

Eu cego fui, mas vejo já, perdido Ele me achou.

Amém. Graças a Deus. Podeis tomar vossos assentos.

A Falsa Teologia da Substituição

Existe em algumas igrejas ditas cristãs uma teologia sendo ensinada a qual é chamada de "teologia da substituição", ou também conhecida como "teologia reformada". Essa teologia sugere que Deus não vê mais o povo de Israel como uma nação, visto que Israel teria sido totalmente substituído pela igreja gentílica. Ou seja, o Israel de Deus hoje seria um termo espiritual para designar somente a igreja. Deus agora não vê mais os judeus como um povo separado dos goins, como são chamados os gentios, mas agora Deus só consideraria os judeus - ou os veria como um povo judeu salvo - se eles hoje fizessem parte de alguma igreja gentílica. Em outras palavras, essa teologia sugere que não há mais nenhuma salvação para os judeus fora de uma igreja gentílica. Portanto hoje o Israel de Deus seria apenas a igreja gentílica.

Essa teologia sugere também, ao mesmo tempo, que todas as promessas e profecias relacionadas a Israel, como as bênçãos prometidas, deveriam agora ser dirigidas ou canalizadas para a igreja, porque essas profecias que falavam a respeito de Israel terão apenas o seu cumprimento na igreja gentílica, uma vez que Deus não considera mais Israel como um povo ou uma nação. Essa interpretação é antiga, mas mesmo Israel já tendo voltado à sua terra e ser instituído outra vez como um país, muitos ainda não quiseram reaver tal visão.

Essa teologia possui inúmeros problemas, porque ela não é bíblica. A princípio, para que essa teologia fosse bíblica, ela teria que estar de acordo com as Escrituras. Mas você encontrará na própria Palavra de Deus onde Ele diz que nunca, jamais, rejeitará ou rejeitou Israel como uma nação. Nunca! Para que isso acontecesse, Deus teria que mudar as leis, e Ele teria que mudar a Sua própria Palavra.

Jeremias 31:35-36

Assim diz o Senhor, que dá o sol para a luz do dia e as leis fixas e às estrelas para a luz da noite, que agita o mar e faz bramir as suas ondas; Senhor dos Exércitos é o Seu nome. Se falharem estas leis fixas diante de Mim, diz o Senhor, deixará também a descendência de Israel de ser uma nação diante de Mim para sempre.

Alguma vez você viu o sol não brilhar durante o dia? Por acaso alguma vez o mar deixou de produzir suas ondas? Então, aqui Deus disse: "Jamais Me esquecerei de Israel. Isso nunca irá acontecer. Enquanto as leis que Eu criei existirem, Israel existirá diante de Mim como uma nação. A descendência de Israel existirá." Porém, essa teologia reformada ou teologia da substituição, tenta ver essa própria Escritura aqui como sendo algo que é aplicado apenas à igreja, como uma benção para a igreja. Entretanto, é bem fácil de você verificar o quão errado e equivocado isso é. Basta você substituir esta palavra "Israel" por "Igreja". Faria algum sentido? Não, porque aqui fala da "descendência" da nação de Israel, e a igreja não possui descendência e muito menos é uma nação, embora a igreja em si seja uma descendente, visto que ela é formada por filhos de Deus, mas a igreja mesma não tem filhos, porque Deus não possui netos. Deus tem filhos e filhas e a Noiva representa esses filhos de Deus. Roma pode ter suas filhas; ela pode ter suas igrejas, mas a Noiva de Jesus não. Então isso não poderia ser aplicado para a igreja da maneira como eles querem.

Essa Escritura refere-se a Israel, porque Deus tem planos e Deus nunca voltou atrás em Suas promessas, ou mesmo em Sua Palavra para com eles. Portanto, essa teologia da substituição ou teologia reformada é falsa.

As Escrituras Podem Ter Um Duplo Sentido

Você até poderia adequar algumas Escrituras com alguma promessa de benção; você poderia fazer uma adaptação de algumas Escrituras e dirigir isso para a igreja ou até mesmo para você, individualmente, como sendo participante de uma benção, algo que nos é prometido, de uma promessa divina. Porém você não pode ver essa adequação como se fosse a única maneira de se interpretar, porquevocê não pode negar a Palavra de Deus e distorcer o Seu verdadeiro sentido e significado.

Você verá que em alguns momentos o irmão Branham também fazia algumas adaptações das Escrituras, para dar até mesmo um outro significado ou sentido daquilo que elas estavam dizendo, porque ele próprio dizia que as Escrituras possuem um duplo sentido ou significado composto, e você verá pelos sermões que nós traduzimos do irmão Lee Vayle, que ele também chama a atenção para isso. Mas eu não creio que o irmão Branham anulasse o verdadeiro significado da Palavra de Deus com essas adaptações. Às vezes ele pegava uma Escritura e fazia uma adequação a fim de tentar apresentar algo que ele tinha em mente e ilustrar um certo pensamento para a igreja, e em outras ocasiões ele usaria aquela mesma Escritura com uma outra conotação, e isso era baseado na mensagem que Deus lhe dava e inspirava para aquele momento, e qualquer Escritura que ele pudesse encontrar para adaptar e expor aquele entendimento, ele assim o faria. Mas entenda que se o irmão Branham fazia isso era porque ele tinha uma direção dada pelo Espírito Santo para assim proceder.

Então embora o irmão Branham, às vezes, se detivesse apenas em um único significado para uma Escritura em particular, eu não acredito que ele anulasse o outro significado que aquela mesma Escritura possuía. Então você pode até fazer adaptações; você pode fazer adequações das Escrituras relacionado a uma outra coisa, mas você tem que saber fazer isso com responsabilidade.

A Teologia da Substituição Não Tem Amparo na Mensagem de William Branham

William Branham não concordava com essa teologia da substituição. Há inúmeras mensagens que mostram isso.

A Festa das Trombetas (19/07/1964) § 141

Israel está salvo como uma nação (Não como um indivíduo, mas como um povo. Como uma nação); Deus trata com Israel como uma nação. Os gentios são um povo para o Seu Nome, não uma nação para o Seu Nome, Israel.

Mas Israel é uma nação. Então veja que a doutrina ou teologia da substituição não encontra amparo na Mensagem. O irmão Branham disse que há uma diferença entre o Israel natural e a igreja espiritual. Você não pode misturar. Se o irmão Branham concordasse com essa teologia da substituição, isso provaria que ele seria um falso profeta. Mas você está vendo aqui que ele não concordou.

Israel Seria Espalhado Pelas Nações

Agora, é verdade que houve um tempo em que Israel deixou de existir como nação perante os homens. Deus disse que no dia em que Israel quebrasse a aliança que Deus fez com eles, este povo seria desterrado e espalhado pelas nações. Deus alertou o povo judeu que isso poderia acontecer se caso ele quebrasse a aliança que Deus fez com eles no Sinai. E você sabe que Israel quebrou essa aliança, e desde aquele momento, então, em que Israel quebrou essa aliança, Deus teve que cumprir com os Seus alertas e Suas prescrições. Israel foi desterrado; ele foi espalhado pelas nações.

Deuteronômio 28:63-64

Assim como o Senhor Se alegrava em vós outros, em fazer-vos bem e multiplicar-vos, da mesma sorte o Senhor Se alegrará em vos fazer perecer e vos destruir; sereis desarraigados da terra à qual passais para possuí-la. O Senhor vos espalhará entre todos os povos, de uma até à outra extremidade da terra. Servirás ali a outros deuses que não conheceste, nem tu, nem teus pais; servirás à madeira e à pedra.

E isso tudo aconteceu, porque Israel quebrou a aliança de Deus no Sinai. Na Europa chamava-se de marranos os judeus que eram forçados a se converter ao catolicismo e a venerar os santos da igreja e curvar-se diante dos seus ídolos, sob o risco de serem mortos pela inquisição. Em virtude disso, as Escrituras, então, já previam de antemão que as nações alimentariam um grande ódio pelo povo judeu quando eles estivessem espalhados entre as nações gentílicas.

Deuteronômio 28:38 (NVI)

Vocês serão motivo de horror e objeto de zombaria e de riso para todas as nações para onde o Senhor os levar.

Esse ódio e essa zombaria aqui, para nós, é um retrato daquele ódio que você vê até hoje sendo manifestado e que foi muito bem conhecido por nós e testemunhado na Segunda Guerra Mundial, que é o anti-semitismo. Esse ódio, esse pavor, essa abominação que alguns têm por Israel, é disso tudo que essa passagem de Deuteronômio está tratando. Você vai ver que ao longo das eras, ao longo dos séculos, inúmeros povos se apoderaram... grandes povos se apoderaram de Jerusalém. A cidade santa foi disputada por todos os grandes povos da história.

Você vai ver a Bíblia mencionar Babilônia quando Israel tornou-se cativo daquele povo. Depois da Babilônia foi a vez dos medo-persas, seguido depois pelos gregos, com Alexandre, o Grande, em 300 a.C. Depois foi a vez dos egípcios. Depois, em seguida, Jerusalém foi conquistada pelos assírios; finalmente depois foi a vez de Roma; mas depois de Roma vieram os islâmicos, até que eles foram depostos pelas cruzadas. Depois deles vieram os mamelucos islâmicos do Egito e, por fim, vieram também os turcos-otomanos que governaram Jerusalém por mais de quatrocentos anos, e durante todo esse tempo os judeus ali viveram e sofreram.

Várias nações disputaram Jerusalém e a tiveram sob o seu domínio

Então veja que Israel seria perseguido e detestado pelas nações, e tudo isso estava previsto, de acordo com a Palavra de Deus.

Jeremias 29:18

E persegui-los-ei com a espada, com a fome, e com a peste; fa-lo-eis um espetáculo horrendo para todos os reinos da terra; e os porei por objeto de espanto, e de assobio, e de opróbrio entre todas as nações para onde os tiver arrojado.

Agora veja que interessante. Esse pessoal que formulou essa teologia da substituição e que diz que todas as profecias que se relacionam a Israel têm seu cumprimento na igreja, quando eles leem isso aqui, eles não ousam dizer que isso é para a igreja, porque aqui já é algo ruim. Aqui neste caso, os teólogos da substituição admitem que isso seria cumprido somente para Israel, porque trata-se de algo desfavorável para a igreja. Para eles isso que está escrito aqui é somente para Israel, para o povo judeu. Então veja o quão conveniente e parcial é essa teologia da substituição. Mas de fato, esse quadro de Jeremias 29 está mostrando para você o problema que Israel vem enfrentando ao longo dos séculos, porque é por isso que eles têm passado.

Os Dois Principais Inimigos de Israel

Israel sempre teve os seus inimigos, e hoje os principais inimigos de Israel são: 1) o povo árabe ou muçulmano, como você sabe; 2) mas também o Vaticano, a igreja católica romana.

A igreja católica e os muçulmanos extremistas são os dois maiores inimigos de Israel.

Falsamente se contou na história que nas primeiras cruzadas os católicos teriam libertado Jerusalém para devolvê-la a Israel, quando na verdade os judeus foram dizimados para que Jerusalém fosse governada pela igreja romana. O papa Urbano II que organizou em 1095 a primeira cruzada, disse o seguinte aos seus seguidores:

"Empreendei o caminho do Santo Sepulcro, arrancai aquela terra daquela raça malvada e submetei-la a vós: ela foi dada por Deus em propriedade aos filhos de Israel; como diz a Escritura, nela correm rios de leite e mel".

Quem é essa "raça malvada" da qual o papa Urbano está se referindo? "Ora irmão Diógenes, que pergunta é essa? É lógico que é dos turcos seljúcidas que tomaram Jerusalém. Eu já estudei isso no colégio nas aulas de história". Mas não era apenas isso. Este papa aqui estava se referindo também aos judeus!

Papa Urbano II

Então quando você lê isso dá a entender que, realmente, eles tinham esse objetivo, de libertar Jerusalém dos gentios e devolver para os filhos de Israel, porque o papa aqui diz: "Essa terra pertence a eles". Porém você verá que segundo os registros da história, não foi bem isso o que aconteceu, porque os mais de quinhentos mil guerreiros que o papa Urbano enviou, desde a Europa em direção à Jerusalém, mataram todos os judeus que puderam encontrar ao longo do caminho, e após cinco semanas de cerco - que foi o tempo que durou - sobre a cidade santa, eles conquistaram Jerusalém. E eles devolveram Jerusalém para os filhos de Israel? Não! Os judeus que se refugiaram nas sinagogas foram todos mortos, queimados vivos! Havia inclusive um dos grandes generais, chamado Godefroy de Bouillon, um general da primeira cruzada, que chegou a fazer um juramento dizendo que vingaria a morte de Cristo matando até o último judeu que pudesse encontrar.

Godefroy de Bouillon

Então você logo começa a entender que para aquele papa, os "filhos de Israel" seriam na verdade os filhos de Roma, que seria o "Israel espiritual" de Deus. Veja que essa propaganda de Urbano II em devolver Jerusalém para os filhos de Israel foi uma propaganda enganosa! E se você perceber, essa teologia da substituição, a qual diz que Deus, na verdade, não vê mais as profecias relacionadas a Israel como sendo para o judeu, mas sim para a igreja, começou com quem? Com isso aqui! Roma é de fato a mãe inspiradora de todas as teologias. Urbano II foi quem começou com essa teologia da substituição, porque ele falou que Jerusalém deveria ser devolvida a Israel ou aos filhos de Israel, mas eles mataram os filhos de Israel quando chegaram lá!

E você começa a ver que o quadro de Jeremias 29, que trata do anti-semitismo, vem se cumprindo desde aquele tempo até os dias de hoje. E como dissemos, tal ódio nunca foi revelado em toda a sua fúria com na Segunda Guerra Mundial.

Na verdade, ainda antes que a guerra começasse, Hitler já estava perseguindo os judeus, e espalhando o anti-semitismo por toda parte. É muito conhecido o caso do transatlântico chamado Saint Louis, que saiu da Europa em 1939 abarrotado com 937 refugiados judeus (alguns dão um número ainda maior) que tentaram escapar da fúria de Hitler.

Refugiados judeus no transatlântico St. Louis em 1939.

Este navio foi negado nos portos de Cuba, EUA e Canadá. 700 destes tinham visto de imigração para os EUA, mas mesmo assim, Roosevelt os recusou e os mandou de volta, por causa do preconceito e de suas falhas leis de imigração. Os canadenses quase os receberam, mas devido também a um impasse diplomático, os refugiados judeus acabaram voltando para a Europa, onde alguns países fizeram acordos entre si e os receberam, dando-lhes asilo. Porém logo em seguida, quando a segunda guerra começou de fato, estima-se que no mínimo ¼ daquela tripulação que foi asilada morreu nos campos de concentração, quando aqueles mesmos países que os acolheram foram conquistados por Hitler, que buscava a todo custo uma "solução final" para os judeus.

A Instituição do Estado de Israel

Então observe que aquele quadro de Jeremias 29 vem se cumprindo literalmente. Porém mesmo com toda essa perseguição, o holocausto da segunda guerra e o opróbrio que estava profetizado, havia uma promessa bíblica de que algum dia Israel voltaria para a sua terra.

Jeremias 3:18

Naqueles dias, a casa de Judá irá à casa de Israel; juntos virão do país do norte para a terra que dei como herança a vossos pais.

Será que daria para você substituir aqui "Israel" por "Igreja"? Não faria nenhum sentido você fazer isso. Isso aqui não tem nada a ver com a Igreja. A teologia da substituição aqui não tem lugar.

Jeremias 31:8-10

Eis que os trarei da terra do norte e os congregareis da extremidade da terra; e, entre eles, também os cegos e aleijados, as mulheres grávidas e as de parto; em grande congregação, voltarão para aqui. Virão com choro, e com súplicas os levarei; guiá-los-ei aos ribeiros de águas, por caminho reto em que não tropeçarão; porque sou pai para Israel, e Efraim é o Meu primogênito. Ouvi a Palavra do Senhor, ó nações, e anunciai nas terras longínquas do mar, e dizei: Aquele que espalhou a Israel (Não está falando da igreja. A igreja não foi espalhada. Foi Israel que foi espalhado.) o congregará e o guardará, como o pastor, ao seu rebanho.

E isso se cumpriu. Na resolução de nº 181, em 29 de novembro de 1947, a ONU decretou que deveria ser criado o Estado para Israel. A Palestina deveria ser dividida em duas partes. Uma parte, 18%, seria para os judeus, enquanto que a outra parte restante, 82%, seria para os árabes. A divisão aconteceu no dia 14 de maio de 1948, quando então foi instituído o Estado de Israel.

Em 1947 foi determinado que houvesse uma partilha na terra da Palestina. Os árabes não concordaram.

E então, essas Escrituras de Jeremias 3 e Jeremias 31 se cumpriram literalmente. A Palavra de Deus é fiel e verdadeira. Quando os judeus se estabeleceram novamente como país e uma nação, naquela mesma noite do dia 14 de maio, seis nações árabes invadiram Israel para tentar expulsar os judeus de lá e, milagrosamente, Israel, que não tinha nem exército, mas apenas colonos, expulsaram aquelas seis nações árabes de suas terras, porque era uma promessa de Deus e isso tinha que se cumprir. Era Deus dizendo que cuidaria do Seu povo como o Seu pastor, e Ele é o Bom Pastor.

Uma Profecia em Pleno Cumprimento Hoje

Mas observe que mesmo estando Israel de volta à sua terra, ainda assim permanece sendo uma nação e um povo desprezado por todas as demais nações, e essa doutrina da substituição, que vê a igreja gentílica como o Israel de Deus hoje, é na verdade apenas uma maneira muito sutil de demonstrar que tal sentimento de desprezo se faz presente até mesmo entre as igrejas cristãs. Então o desprezo está por toda parte. E a repulsa que Israel continua sofrendo serve apenas para evidenciar o cumprimento de uma outra profecia bíblica. O profeta Balaão entregou uma profecia concernente a Israel, que pelo seu contexto histórico, verificamos estar se cumprindo plenamente nesses últimos dias.

Números 23:9

Pois do cume das penhas vejo Israel e dos outeiros o contemplo; eis que é povo que habita só e não será reputado entre as nações.

Balaão profetizando sobre Israel

Isso está em pleno cumprimento agora. Essa palavra "reputado" vem do hebraico "khaw-shab'", que significa "contado", "estimado", "considerado", "respeitado", "honrado". Ou seja, Israel não seria considerado pelas nações. Não seria respeitado. Não seria honrado. Não seria contado.

Hoje as nações do mundo desprezam Israel, inclusive blocos econômicos como o MERCOSUL. Ele não é reputado, ou seja, considerado pelas nações. As Nações Unidas que é o órgão que conta as nações, é formada por mais de 190 países, e praticamente todas as nações podem se assentar rotativamente no Conselho de Segurança. Todas, exceto Israel. Israel é proibido. Até nações terroristas como Sudão já fizeram parte do Conselho de Segurança, mas Israel, a única nação democrática do Oriente Médio é proibida. Israel também é proibido de fazer parte da Cruz vermelha internacional. Todas as outras nações podem, até as terroristas. E assim vemos hoje em nossos dias confirmada a profecia de Balaão. Se isso não for Números 23:9 se cumprindo então eu não sei o que é.

As nações são pró-árabe e contra Israel. A ONU já fez mais de trezentas condenações contra Israel por simplesmente ter se defendido dos ataques terroristas, mas a ONU ao mesmo tempo não condenou nenhum dos ataques terroristas feitos a Israel. Mesmo quando Arafat era o líder da OLP e que admitia publicamente que a paz para o mundo árabe significava a extinção total de Israel e do povo judeu, nenhuma vez sequer sofreu qualquer admoestação da ONU, mas ao invés disso, recebeu o prêmio Nobel da paz, em 1994.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas é um órgão da ONU que zela pela manutenção da paz e da segurança internacional. É o único órgão do sistema internacional capaz de adotar decisões obrigatórias para todos os 193 Estados-membros da ONU, Israel foi proibido de participar, desde a sua criação.

Em março de 1999, a União Européia não reconheceu a soberania dos judeus sobre Jerusalém, e numa bula papal do jubileu de 2000, o papa João Paulo II rejeitou a soberania de Israel sobre Jerusalém. Afinal de contas, historicamente sabe-se que Noyola e sua Companhia de Jesus sempre tiveram o desejo de fazer de Jerusalém o seu Vaticano. É por essa razão que você nunca verá o Vaticano apoiando a soberania de Israel sobre aquela cidade. Em fevereiro de 2000 a igreja romana assinou inclusive um acordo com a OLP onde se pedia garantias internacionais para que Jerusalém fosse mantida sob controle internacional. O Vaticano simplesmente não admite que os judeus tenham controle sobre Jerusalém. Então veja que os dois principais inimigos de Israel muitas vezes estiveram juntos para maquinar o mal contra a soberania de Israel. É interessante observar que os judeus sempre foram impedidos de viver em paz nas terras palestinas, mas os palestinos, que são os árabes, conseguem viver em paz com os judeus dentro de Jerusalém.

João Paulo II e Yasser Arafat

Por quanto tempo mais irá durar essa perseguição histórica das nações contra Israel? E até quando haverá essa disputa histórica das nações pela cidade santa? Jesus disse para nós até quando isso iria durar:

Lucas 21:24

Até que os tempos dos gentios se completem, Jerusalém será pisada por eles.

Então, enquanto a dispensação gentílica ainda estiver em vigor, é exatamente isso que nós veremos: as nações tentando disputar Jerusalém e desprezando o Estado de Israel e os seus direitos.

Mas observe que aquilo que foi dito lá na antiguidade está acontecendo hoje, pois para que Israel fosse reputado pelas nações, em primeiro lugar teria que haver um grupo de todas elas que se coligariam para deliberadamente lançar sanções contra o povo judeu. Então o que Deus disse no passado, agora vemos se cumprir literalmente, pois Ele viu de antemão o que iria acontecer.

Isaías 46:9-10

Lembrai-vos das coisas passadas da antiguidade: que Eu sou Deus, e não há outro, Eu sou Deus, e não há outro semelhante a Mim; que desde o princípio anuncio o que há de acontecer e desde a antiguidade, as coisas que ainda não sucederam; que digo: o Meu conselho permanecerá de pé, farei toda a Minha vontade.

A Cegueira Espiritual de Israel

Israel rejeitou o dia da visitação de Deus em meio a eles na forma do Seu Filho Jesus Cristo e por isso foi espalhado entre as nações, e agora, durante todo esse tempo em que Israel deveria ser desprezado pelas nações, o que exatamente deveria acontecer a esse povo, espiritualmente falando? O povo de Israel estará cegado, porque o irmão Branham disse que era isso que aconteceria com Israel até que a plenitude dos gentios se consumasse. Mas o irmão Branham nunca afirmou que Israel deixaria de ser o povo eleito de Deus, mesmo durante todo o seu período de cegueira. Então embora os judeus fossem por um logo tempo cegados, não seriam esquecidos da mente de Deus.

Perguntas e Respostas Sobre Hebreus Nº. 1 (25/09/1957) §§ 80-84

Porque quando o profeta viu Israel neste dia que estava chegando, ele disse: "Bem, será Israel quando o sábado for tirado, e - e eles vendem no sábado do mesmo modo como em qualquer outro dia, e todas estas coisas." E ele disse: "Bem, Tu - Tu alguma vez... Será Israel completamente esquecido?" Ele disse: "Qual a distância até os céus? Qual a profundidade da terra? Meça-a com aquela vara que está diante de você." Ele disse: "Eu não posso!" Ele disse: "Tão pouco posso Eu Me esquecer de Israel." Certamente não! Israel nunca será esquecido. (Veja, o irmão Branham não ensinava que Israel seria rejeitado por Deus como o Seu povo eleito e deixado de ser visto por Deus como uma nação. Deus sempre viu e sempre o verá assim. Deus tem planos eternos para Israel) ...Se eu tivesse um... tivesse tempo para estudar, então eu poderia pegar rapidamente na Escritura que... eu poderia citá-las para você, veja, as que vêm à minha mente. Paulo falando aqui, disse para que, nós gentios, ficássemos atentos, a maneira como andássemos e o que fizéssemos. Vê? Porque se Deus não poupou o primeiro galho, veja, e nós apenas sendo enxertados, veja... E que Israel estava cego para a estação, ele disse. Apenas por um período, Israel foi cegado. Isto mesmo, mas o véu será levantado de seus olhos. E isto acontecerá quando o último gentio nascer no Reino de Deus, então O VÉU SERÁ LEVANTADO DOS OLHOS DE ISRAEL. (Então se você ouvir alguma teologia de dentro da Mensagem de algum ministro dizendo que o último gentio já entrou, esqueça isso. Porque aqui o profeta está dizendo que quando isso acontecer, o véu de Israel será removido. Por acaso eles estão confessando a Jesus? Você está vendo Israel se convertendo como uma nação? Não. Então esse último gentio aqui do Reino ainda não entrou, mas certamente isso ocorrerá em seu tempo oportuno.) E eles dirão: "Este é o Messias O Qual esperávamos ver." (Israel fará isso quando houver a sua conversão) Isso mesmo, mas a porta do gentio é fechada (Quando Deus Se voltar para os judeus, Ele voltará as costas para os gentios), não haverá mais - não restará mais graça para o gentio naquele tempo.

O irmão Branham fala que um dos mistérios de Deus trata sobre a cegueira de Israel. Aliás, este é um dos mistérios da Bíblia, o qual o irmão Branham numerou como o segundo mais relevante.

Senhores, é Este o Tempo? (30/12/1960) § 211

(Parece que o irmão Branham aqui estaria citando as notas de Scofield) Os maiores mistérios e os grandes mistérios são: 1) O mistério do Reino dos Céus. (Esse é aquele sobre o qual estamos falando agora. Mateus 13:3-15). 2) O segundo mistério é o mistério da cegueira de Israel durante a presente era (com o contexto em Romanos 11:25)...

Entenda que é por isso que eu tenho que dizer para vocês: se tratamos sobre a doutrina da Mensagem, precisamos abordar tudo do que essa Mensagem fala, e, portanto, temos que tratar sobre esse mistério que tem sido um pouco desprezado até mesmo pelos tabernáculos. E quando digo que esse tema tem sido desprezado pelos ministros da Mensagem, é porque eu incluo esse seu descaso como parte do cumprimento dessa profecia de Balaão quanto ao desprezo que Israel sofreria, até pelas igrejas gentílicas. Repito: o tema "Israel" está completamente fora de pauta nos púlpitos da Mensagem. Quase nada se fala sobre isso. É um tema desconhecido pela maioria. Você pode contar nos dedos quem está falando sobre isso.

Antes que Jerusalém seja pisada pela última vez quando o tempo dos gentios então se completar, Deus preparará um profeta para anunciar a Mensagem de Deus para o povo judeu. Deus levantará para eles um Moisés e um Elias. Agora, antes disso, Deus enviou para nós um profeta; um profeta gentio, e nós cremos que o irmão Branham foi um profeta de Deus, um profeta vindicado. Gentio, é verdade, mas foi um profeta de Deus vindicado.

Mais Um Novo Ismo se Levanta

Algum tempo atrás fui abordado por um irmão messiânico, ou pelo menos alguém que pertencia a um desses grupos do messianismo. Esse messiânico me escreveu um e-mail dizendo mais ou menos o seguinte:

"Irmão Diógenes, eu sinto muito, mas vocês têm um entendimento muito errado. Vocês creem nesse profeta chamado William Branham e William Branham é um gentio. Eu sinto muito; vocês estão errados, porque Deus nunca, jamais usou gentios para serem Seus profetas. Você nunca encontrará isso na Bíblia. E outra coisa: vocês têm uma tradução errada. Vocês têm que ficar com a Bíblia original que é a Bíblia hebraica. Essa Bíblia que vocês têm é a Bíblia da Igreja Católica, com várias interpolações e acréscimos. Vocês têm que ficar com a Bíblia original; e na Bíblia hebraica eu não vejo nenhuma vez Deus usando um gentio para ser Seu profeta. Todos os profetas de Deus vieram de Israel. Somente judeus foram escolhidos para serem profetas de Deus. Mas Deus nunca usou um gentio para ser Seu profeta".

Quando eu li isso, imediatamente escrevi um e-mail para esse irmão messiânico, dizendo o seguinte:

"Meu querido, se você crê realmente que Deus nunca usou um gentio para ser Seu profeta, então você vai ter que pegar essa tal Bíblia hebraica que você tanto ama, rasgá-la e pô-la no lixo, porque lá no livro de Gênesis da tua bíblia hebraica você vai ler a respeito de Noé e que Deus lhe usou para ser Seu profeta. Agora prove para mim que Noé era judeu. Prove para mim que Abraão era judeu. Deus usou Noé e Abraão, gentios incircuncisos para serem Seus profetas".

Eu não citei Enoque, mas eu também poderia ter citado, porque Enoque foi um profeta de Deus também. A Palavra diz que Enoque andou com Deus de tal forma que o Senhor o tomou para Si para que ele não visse a morte. Enoque, um gentio incircunciso, e profeta de Deus. Daqui uma meia hora o irmão messiânico me escreveu de volta, já mudando o discurso. Lógico!

"É, realmente, irmão Diógenes, eu até posso admitir que no passado Deus usou gentios para serem Seus profetas, mas mesmo assim esse profeta em que vocês creem, William Branham, é falso, porque ele não ficou com toda a Palavra."

Não adiantou nada. Para mim era como se esse irmão messiânico estivesse simplesmente dizendo: "Olha aqui, irmão Diógenes, eu realmente vou ter que admitir: os meus fundamentos não eram tão sólidos quanto eu pensei que fossem. Você agora me fez convencer que eu estou em areia movediça. Isso é verdade. Mas sabe de uma coisa, irmão Diógenes? Eu quero continuar assim. Está bem mesmo assim para mim. Deixe eu me afundar nessa minha lama, e não me estenda a mão para me tirar daqui. Está bom assim. Eu estou gostando e eu vou continuar desse jeito". Para mim era como se esse irmão messiânico estivesse dizendo isso.

E não é estranho que até mesmo alguns da Mensagem parecem agir dessa mesma maneira? Porque por mais que você tente de todos os modos lhes estender a mão e mostrar o entendimento correto da Palavra e da Mensagem, para abandonarem o unicismo e tantos outros ensinos carnais, parece que eles querem dizer: "Não! Tire a sua mão. Estou gostando de me afundar. Está bom assim, e eu quero continuar assim".

Eu fiquei pensando: "Do que adiantou esse irmão messiânico ter uma bíblia hebraica nas mãos se ele não conseguiu ver isso?" E de que adianta você ter uma bíblia hebraica nas mãos se você não entende que Jesus é o mesmo ontem, hoje e eternamente? Se Deus usou no passado gentios para serem Seus profetas, Ele pode muito bem agora, nessa última era, usar um outro gentio para ser o Seu profeta! E foi o que Ele fez.

Veja, eu sou um gentio, e não é humilhante para mim... não é vergonhoso para mim saber que Deus usou judeus para serem Seus profetas. Isso não é vergonhoso para mim. Mas por que será que é tão humilhante para um judeu ter que admitir que nessa última era Deus usou um gentio para ser Seu profeta? É uma pena que eles queiram demonstrar ter algum zelo para reconhecer os falsos profetas, mas não conseguem ter o mesmo zelo para reconhecer os verdadeiros. Mas você já está entendendo que tudo isso é por causa desse grande período de cegueira espiritual pelo qual eles precisam passar, e do qual iremos tratar aqui um pouco.

E de que adianta você tentar ir em busca do original como alguns estão dizendo? Porque tudo isso faz parte de um novo "ismo" que está se levantando agora. "Devemos ficar somente com o hebraico, que é o original". Mas de que adianta você ir em busca do original se você rejeita aquele que Deus enviou até você para te levar de volta ao original? E quanto a esses irmãos e judeus messiânicos, se eles querem considerar William Branham como um falso porque foi um gentio e considerar toda a sua mensagem como falsa, então eles nunca poderiam igualmente aceitar o próprio profeta judeu que Deus enviará para eles, porque Moisés e Elias quando vierem pregarão para os judeus a mesma coisa que William Branham pregou. Eles pregarão a mesma mensagem. Branham disse que eles não irão pregar a Lei, mas irão pregar Cristo, e foi essa mensagem que William Branham pregou. A mensagem que o Elias dos gentios pregou para nós será a mesma mensagem que o Elias dos judeus pregará para eles: "retirai-vos dela, povo meu!".

Então, como eu disse, grandes "ismos" estão se levantando hoje, dizendo que devemos ir em busca do original. Há muitos cristãos agora estudando as tradições judias e falando hebraico e pronunciando os nomes de todos os personagens bíblicos somente em hebraico, porque pensam que ao fazer assim, estarão mais próximos da verdade de Deus. Esses grupos dizem que a grande revelação do momento é você entender que a pronúncia correta do nome Jesus tem que ser apenas Yeshua, Yeshua ha Mashiah. Eu não tenho nada contra a pronúncia correta ser Yeshua, porque é o nome original de Jesus, mas eu disse para uma judia messiânica - e ela não gostou nada disso - eu disse: "Olha, eu não vejo nenhum problema em continuarmos dizendo o nome 'Jesus'." E ela disse que eu era um adorador de Roma por causa disso, porque esse seria uma versão latina do nome Yeshua e que a verdadeira revelação está no nome original "Yeshua". Eu disse: "Minha querida, sinto muito, você até pode citar o nome original, ou em qualquer língua que você quiser, mas o que vai fazer a diferença não é isso. O que vai fazer a diferença não é se você cita o original ou não; mas o que vai fazer a diferença é se você tiver em você o mesmo Espírito que ressuscitou Yeshua ha Mashiah dentre os mortos. É isso que vai fazer a diferença".

Também lhe disse que quando os demônios são repreendidos usando o nome "Jesus" eles são forçados a obedecer. Então é a verdadeira unção e Espírito que está por trás do que você diz e faz que realmente interessa. Muitos demônios foram expulsos pelo irmão Branham ao longo do seu ministério quando ele simplesmente falava o nome "Jesus Christ", e os demônios tiveram que obedecer, pois sabiam de Quem o profeta de Deus estava falando, mesmo não pronunciando o Seu santo nome em um idioma original.

E eu tenho observado também nesse grupo de judeus messiânicos que estão se levantando, que sutilmente eles estão começando a ter pelos gentios o mesmo ódio que eles alegam que os gentios sentem por eles. É uma coisa disfarçada, mas eles não conseguem esconder isso. Tudo isso é apenas um pequeno parênteses que eu abri aqui para falar sobre isso.

Então, Deus enviou um profeta para os gentios. Nós cremos nisso e não foi a primeira vez que Deus fez isso. Ele é o mesmo ontem, hoje e eternamente.

A Discrepância Entre Cristãos e Judeus Prevista Por Jesus

Essa cegueira de Israel tem perdurado por séculos e sempre houve tentativas de levar a mensagem... levar o evangelho para os judeus. Mas os judeus sempre têm rejeitado, porque esse é o momento de cegueira. Esse é o tempo em que ainda Deus está Se voltando para os gentios, com graça e com misericórdia.

Eu queria destacar aqui uma palavra de um estudioso chamado David Baron, que ainda no final do século dezenove para o início do século vinte criou um ministério para tentar evangelizar os judeus, chamado "Cristianismo Hebraico" lá em Londres. Eu encontrei essas palavras e eu traduzi. E diz aqui o seguinte... isso é um testemunho antigo, mas ele é recente ainda.

"Tenho conhecido pessoalmente muitos homens amáveis e de caráter adorável entre os judeus, mas, assim que o nome 'Jesus' é mencionado, mudam o semblante, como se tivessem um acesso de indignação [...] cerrando os punhos, rangendo os dentes e cuspindo no chão por causa da simples menção do nome".

David Baron

Então existe uma discrepância e um antagonismo muito grande entre o povo judeu e os gentios ou cristãos. Jesus anteviu essa rivalidade dos judeus contra os gentios cristãos e da sua intolerância ao evangelho da graça que seria estendida a nós. Ele Se antecipou a tudo isso nos contando a parábola do filho pródigo, que, aliás, pouquíssimos tem conseguido extrair a sua verdadeira mensagem, e é por isso que iremos nos ocupar com ela a partir de agora.

Compreendendo o Simbolismo da Parábola do Filho Pródigo

Lucas 15:11-32

Continuou: Certo homem tinha dois filhos...

Eu disse, há pouco, que não há nenhum problema de você fazer adequações ou adaptações para dar um outro sentido a uma determinada Escritura, e essa Escritura... essa parábola do filho pródigo é muito usada para fazer evangelismo. "Você que está salvo..." ou melhor, "Você que está perdido; você que está distante. Venha para o Pai que está de braços abertos para te receber". É maravilhoso! Não mude isso. Continuem pregando assim. Isso tem o seu valor. Isso tem a sua importância. Mas... vamos lá. Quando Jesus contou essa parábola, o objetivo não era esse. Não era para fazer evangelismo de busca por almas perdidas. Não! Ele está tratando aqui de algo que iria acontecer. Você tem que atentar para o seu simbolismo. A parábola do filho pródigo começa a partir do versículo 11 quando Jesus diz: "Certo homem tinha dois filhos". Quem são esses dois filhos? Entenda isso definitivamente: o filho mais velho são os judeus e o filho mais novo tipifica os gentios.

O mais moço deles disse ao pai: Pai, dá-me a parte dos bens que me cabe. E ele lhe repartiu os haveres.

Você tem que entender cada elemento aqui. Não é normal um filho pedir a sua parte da herança antes que o pai morra. Então por que Cristo criou essa situação aqui? Para dar a este filho mais moço o quadro de insensatez, porque é isso que ele está sendo. Ele está sendo um insensato, e isso porque é assim que os gentios são vistos na Bíblia, como um povo insensato. Então Jesus está criando essa situação aqui para você entender que isso é um tipo das nações, dos gentios. "E ele repartiu os seus haveres..."

Passados não muitos dias, o filho mais moço, ajuntando tudo o que era seu, partiu para uma terra distante (foi para longe) e lá dissipou todos os seus bens, vivendo dissolutamente. Depois de ver consumido tudo, sobreveio àquele país uma grande fome, e ele começou a passar necessidade. Então, ele foi e se agregou a um dos cidadãos daquela terra, e este o mandou para os seus campos a guardar porcos.

Vamos lá. Israel não cultivava porcos. Os judeus não gostam e não comem carne de porco porque a Lei lhes proíbe. Então isso é um simbolismo que Jesus está criando para fazer você entender que ele está em uma terra gentílica, longe e distante - num outro país, como Ele mesmo disse - porque esse menino, esse rapaz, o filho pródigo, é um tipo dos gentios.

Ali, desejava ele fartar-se das alfarrobas que os porcos comiam; mas ninguém lhe dava nada. Então, caindo em si, disse: Quantos trabalhadores de meu pai têm pão com fartura, e eu aqui morro de fome! Levantar-me-ei, e irei ter com o meu pai, e lhe direi: Pai, pequei contra o céu e diante de ti; (Ou seja, ele está começando a reconhecer a sua insensatez) já não sou digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus trabalhadores. E, levantando-se, foi para seu pai. Vinha ele ainda longe, quando seu pai o avistou, e, compadecido dele, correndo, o abraçou, e beijou. E o filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e diante de ti; já não sou digno de ser chamado teu filho. O pai, porém, disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa, vesti-o, ponde-lhe um anel no dedo (Em outras palavras, isso aqui é símbolo de aliança, assim como Deus firmou uma aliança com os Seus filhos. E essa é uma aliança de graça) e sandálias nos pés; trazei também e matais o novilho cevado, comamos e regozijemo-nos, (Para consolidar a reconciliação do pai com o filho, sangue teria que ser derramado. Um sacrifício foi feito. O que isso te sugere? Você está entendendo. Isso nos lembra o sacrifício de Jesus que nos concedeu o ministério da reconciliação.) porque este meu filho estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado...

Então veja, isso aqui tipifica o quê? A graça. Nós gentios fomos recebidos pelo Pai por graça. Para sermos salvos não tivemos que praticar as coisas que os judeus eram obrigados a guardar. Para eles obterem alguma justificação tinham que guardar as obras da Lei: os sábados, circuncisão, festas, etc. Deus nos obrigou a alguma dessas coisas? Por acaso esse pai aqui impôs condições ao filho? Por acaso ele disse: "Meu filho, eu te receberei, mas você terá que fazer certas coisas; do contrário eu não vou te receber. Se você fizer isso e isso e isso e aquilo eu te recebo"? Ele fez isso? Não. Ele tratou o seu filho com graça, com misericórdia, e é isso o que Deus tem feito conosco, nos tratando com graça e misericórdia. Ele não nos impôs nada; é uma aliança incondicional.

E começaram a regozijar-se. Ora, o filho mais velho (esse tipifica Israel, o povo judeu) estivera no campo; e, quando voltava, ao aproximar-se da casa, ouviu a música e as danças...

Isso aqui é um tipo; é um símbolo do avivamento pentecostal que a Igreja gentílica vem recebendo durante todos esses anos, sendo selados pelo Espírito Santo, presenciando os Seus dons e dando os frutos do Espírito. Essa música e dança tipifica tudo isso, e os judeus estão atentos a isso e não estão gostando nada disso.

Chamou um dos criados e perguntou-lhe que era aquilo. E ele informou: Veio o teu irmão...

Veja. Nós sempre fomos irmãos de Israel. Nós somos seus irmãos, pois todos os filhos de Deus, seja judeu ou gentio, já eram atributos de Deus e tiveram os seus nomes escritos no Livro da Vida do Cordeiro desde antes da fundação do mundo. Porém eu quero chamar a sua atenção para um detalhe aqui, porque embora eu diga para você que esse filho pródigo está tipificando os gentios, você também pode incluir aqui os judeus eleitos segundo a graça; você pode incluí-los aqui também, porque nessa dispensação gentílica há judeus eleitos segundo a graça e que estão sendo salvos, e eles estão sendo salvos pela sua fé em Jesus, ou em Yeshua ha Mashiah, como quiser. Então você pode incluí-los aqui. Portanto esse filho pródigo está tipificando os filhos do Reino que pertencem a eleição da graça, e você pode incluir tanto os gentios como também alguns judeus que estão crendo em Jesus, e sendo salvos pela graça somente, e não porque guardam os sábados ou praticam a circuncisão. Porém você não pode incluí-los como sendo a nação de Israel, porque a Palavra fala que um dia haverá uma conversão de Israel, mas não será do indivíduo, como você tem visto ao longo das eras. Não. A Palavra e a promessa falam de uma conversão nacional do povo judeu e isso ainda não aconteceu. Então você tem que fazer uma distinção. Mas, nesse filho pródigo você pode incluir os judeus e os gentios que estão recebendo a Cristo nessa dispensação e que são irmãos de Israel.

...E teu pai mandou matar o novilho cevado, porque o recuperou com saúde. Ele se indignou e não queria entrar.

O filho pródigo

Por que ele se indignou? Ele sentiu o quê? ["Ciúmes"] Ciúmes. Mas por que isso? Porque ele viu que o pai tratou o seu irmão mais novo com graça; não impôs condições, não impôs regras, e ele não gostou nada disso. Os judeus não gostam nada do tratamento que Deus está dando para nós gentios, porque não estamos praticando a circuncisão, não estamos guardando festas e sábados, e ainda assim estamos recebendo as mesmas bênçãos que eles receberam quando Deus estava lá com eles, quando tinha uma aliança antes que eles a quebrassem. Eles estão com ciúmes disso. Os judeus estão com ciúmes de nós até hoje. Paulo vai citar Escrituras para mostrar que foi exatamente isso que Deus iria fazer entre os judeus e os gentios. Ele iria pôr os dois irmãos em ciúmes.

Eu vou citar aqui para você o que Paulo disse em Romanos 10:19 a 21.

Pergunto mais: Porventura, não terá chegado isso ao conhecimento de Israel? Moisés já dizia: "Eu vos porei EM CIÚMES com um povo que não é nação".

Esses são os gentios. Nós vimos antes onde o irmão Branham disse: "Os gentios são um povo para o Seu Nome, mas não uma nação para o Seu Nome, como é Israel". A igreja gentílica é um povo, mas não uma nação. Então esse irmão mais velho não quis entrar na festa porque estava indignado. E por quê isso? Porque estava com ciúmes. Então entenda que isso que Jesus está contando nessa parábola é o que a Palavra de Deus já estava mostrando que iria acontecer, e como já vimos Deus dizer em Isaías 46: "Desde o princípio anuncio o que há de acontecer e desde a antiguidade, as coisas que ainda não sucederam". Continuando a leitura de Romanos:

"Eu vos porei em ciúmes com um povo que não é nação. (Esses são os gentios; os gentios não são uma nação). Com gente insensata Eu vos provocarei à ira" (Lembra da figura que Jesus criou do filho pródigo pedindo antecipadamente a herança? Eu disse que aquilo era uma figura de insensatez. As Escrituras chamam os gentios assim, de um povo insensato.) E Isaías a mais se atreve e diz: "Fui achado pelos que não Me procuravam, revelei-Me aos que não perguntavam por Mim". (Novamente está falando dos gentios. Nós não buscávamos a Deus; éramos totalmente alheios à aliança que fora firmada com o povo de Israel) Quanto a Israel, porém diz: "Todo o dia estendi as mãos a um povo rebelde e contradizente".

Então isso mostra o quadro deste filho mais velho tendo ciúmes do irmão mais novo, tipificando os ciúmes de Israel pelo povo gentio, ou antes, pelos filhos da eleição da graça que pertencem a essa dispensação gentílica. E nesse mesmo Romanos 11, no versículo 11, Paulo fala mais ainda desses ciúmes.

Romanos 11:11

Pergunto, pois: porventura tropeçaram para que caíssem? De modo nenhum! Mas, pela sua transgressão, veio a salvação aos gentios, para pô-los EM CIÚMES.

Então você já sabe o que simboliza e o que significa esses ciúmes aqui do filho mais velho. Agora vamos voltar para a leitura da parábola no ponto onde a interrompemos.

Saindo, porém, o pai, procurava conciliá-lo. Mas ele respondeu a seu pai: Há tantos anos que te sirvo sem jamais transgredir uma ordem tua...

Isso aqui ilustra o orgulho judeu. Os judeus se orgulham de serem o povo com quem Deus tinha alianças. O judeu sempre se orgulhou de ser um povo que tinha as Leis, o pacto no Sinai, "guardamos os sábados, praticamos os jejuns, fazemos tudo o que Deus ordenou". Então o que esse irmão mais velho está dizendo? Ele com muito orgulho disse: "Sempre fiz tudo que o senhor me mandou fazer". Do que se trata isso? Isso é para ilustrar o que Israel sempre fez. Os judeus sempre buscaram justificação em suas obras e eles nunca conquistaram isso. Eles sempre tiveram que fazer alguma coisa para obter uma bênção de Deus, porém eles nunca foram justificados pelas obras da Lei que eles guardavam, mas nós que somos justificados pela fé na obra que Cristo fez por nós, somos justificados pela fé gratuitamente. E os judeus, a duras penas, tentando obter algo, e mesmo assim não conseguem. E então o filho mais velho aqui diz: "Eu sempre fiz o que me foi ordenado". Vejamos outra vez.

Há tantos anos que te sirvo sem jamais transgredir uma ordem tua.

Em algumas traduções diz assim: "Sempre guardei os teus mandamentos". O que isso sugere a você? Os judeus sempre se gloriavam de ser um povo com quem Deus tinha firmado mandamentos, e eles se orgulham: "Nós guardamos". Mas, de que serviu?

...E nunca me deste um cabrito sequer para alegrar-me com os meus amigos; vindo, porém, este teu filho, que desperdiçou os teus bens com meretrizes...

"Meretrizes" são mulheres, e na Bíblia mulheres tipificam "igrejas" e prostitutas são denominações, não esquecendo que a Babilônia, que é um tipo da igreja romana, é a mãe de todas as meretrizes. Meretriz também tem a ver com o simbolismo da idolatria, pois lá atrás no culto caldeu ou cananeu, as sacerdotisas dos templos praticavam a prostituição como um culto aos ídolos. Então isso aqui está tipificando nós, os gentios. Nós no passado pertencemos às denominações; nós cultuávamos ídolos, éramos devotos de santos, enfim. Isso aqui é apenas mais um tipo para ilustrar o povo gentio, porque nós realmente desperdiçávamos tudo o que tínhamos com meretrizes, que é uma figura da falsa igreja.

Tu mandaste matar para ele o novilho cevado. Então, lhe respondeu o pai: Meu filho, tu sempre estás comigo; tudo que é meu é teu.

O que isso significa? Deus nunca rejeitou Israel. Deus nunca abandonou o Seu povo. Deus nunca rejeitou o povo judeu. Ele o repreendeu e o castigou por sua desobediência, mas Deus nunca, jamais riscou Israel da Sua herança. Deus nunca, jamais anulou uma única promessa que Ele havia feito a Israel. Ele está dizendo: "tudo que é meu é teu". Só que agora Ele estaria agregando mais alguns filhos junto com os judeus, que somos nós os gentios, para que juntos formamos uma só família. Lembre-se do que foi dito a Jafé, filho de Noé:

Gênesis 9:27a

Alargue Deus a Jafé, e habite nas tendas de Sem...

Segundo alguns, Jafé foi o pai dos gentios, e Sem foi o patriarca dos semitas, de onde vieram os judeus. Os israelitas são descendentes do bisneto de Sem, Héber, e é por isso que os judeus também são chamados de hebreus. Então se somos descendentes de Jafé, que era irmão de Sem, então somos parentes e irmãos dos semitas realmente. John Wesley interpretava essa passagem de que os judeus e gentios estariam unidos pelo Evangelho. Portanto dizer que Jafé habitaria nas tendas de Sem, significa que os gentios teriam companheirismo com os judeus, e que a eles seria estendido os mesmos direitos, privilégios e bênçãos dados anteriormente ao povo de Israel como o de estar em comunhão com Deus.

Tudo que é meu é teu. Entretanto, era preciso que nos regozijássemos e nos alegrássemos, porque esse teu irmão estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado.

Então vemos que é disso que a parábola do filho pródigo está tratando, de que haveria essa rivalidade entre os judeus e os cristãos. A razão disso é porque eles seriam cegados e é por causa dessa cegueira que até hoje os judeus, como nação, não conseguem receber o Evangelho, por causa do seu ciúme, uma vez que Deus nos tratou com graça, enquanto que com eles foi por meio da Lei.

Vamos agora para uma epístola de Paulo, onde você a verá como uma chave. O que Paulo vai falar ali é uma chave para você entender essa mesma parábola do filho pródigo.

Efésios 2:11-20

Portanto, lembrai-vos de que, outrora, vós, gentios na carne, chamados incircuncisos por aqueles que se intitulam circuncisos, na carne, por mãos humanas, naquele tempo, estáveis sem Cristo, separados da comunidade de Israel (que é o nosso irmão mais velho) e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança e sem Deus no mundo. (Sim, Satanás nos humilhava fazendo-nos comer as alfarrobas dos porcos) Mas agora, em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, (Não foi assim? O filho pródigo estava longe, afastado...) fostes aproximados pelo Sangue de Cristo, (pelo sacrifício) porque Ele é a nossa paz, o qual de ambos (dos dois irmãos) fez um; e, tendo derribado a parede de separação que estava no meio, a inimizade, aboliu, na Sua carne, a lei dos mandamentos na forma de ordenanças, para que dos dois criasse, em Si mesmo, um novo homem, fazendo a paz, e reconciliasse ambos (o filho mais velho e o filho pródigo) em um só corpo com Deus, por intermédio da cruz, destruindo por ela a inimizade. E, vindo, evangelizou paz a vós outros que estáveis longe (Lembre-se mais uma vez da figura do filho pródigo que foi para longe) e paz também aos que estavam perto (Esse é o filho mais velho. Lembra? Na parábola seu pai lhe disse: "Tu sempre estás comigo", não é mesmo? Os que estão perto aqui são os judeus; o nosso irmão mais velho); porque, por Ele, ambos temos acesso ao Pai em um Espírito. Assim, já não sois estrangeiros e peregrinos, mas concidadãos dos santos, e sois da família de Deus, (Estamos habitando nas tendas de Sem) edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo Ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular...

Então, isso aqui que Paulo está falando ilustra o quadro que nós vimos agora a pouco da parábola do filho pródigo. E lembre-se que Jesus disse que Ele ainda arrebanharia ao Seu aprisco um outro povo.

João 10:16

Ainda tenho outras ovelhas, não deste aprisco; a Mim Me convém conduzi-las; elas ouvirão a Minha voz; então, haverá um rebanho e um pastor.

Compreendendo o Simbolismo da Parábola da Figueira Estéril

Jesus Cristo previu que quando Ele estivesse ali evangelizando e levando a Sua Mensagem para os judeus, eles O rejeitariam. Jesus também previu com uma parábola de que por eles rejeitarem aquela Mensagem, aquele Evangelho, eles seriam desterrados, porque Israel não produziria frutos de arrependimento. Você conhece aquela parábola que Jesus contou, chamada "A Figueira Estéril". Aquela figueira estéril se referia ao povo de Israel como nação. Jesus esteve ali, Ele evangelizou, instituiu o Seu apostolado e Israel como nação rejeitou a tudo isso. Houve os filhos eleitos que receberam o Evangelho e a Cristo. Mas Israel como nação recusou a tudo isso, e Jesus sabia que isso aconteceria. Ele contou uma parábola ilustrando isso e o que aconteceria depois por essa sua dura cerviz, de se manterem empedernidos e de rejeitar a Cristo e o Seu Evangelho.

Lucas 13:6-9

Então, Jesus proferiu a seguinte parábola: Certo homem tinha uma figueira plantada (Uma figueira. Quem é? Israel como nação) na sua vinha (Quem que são a vinha? A Igreja. Aqui a vinha tipifica os filhos do Reino, a eleição segundo a graça. Então você tem ali a figueira que é Israel, a nação para quem Jesus estava pregando o Evangelho, e você tinha ali alguns filhos do Reino que estavam recebendo o Evangelho, tipificados pela vinha) e, vindo procurar fruto nela (na figueira, em Israel), não achou (Ou seja, Israel não se converteria). Pelo que disse ao viticultor (Quem é o viticultor? Jesus Cristo, o Filho de Deus. E o senhor da propriedade quem é? É o Pai de Jesus; é Deus. Então aqui você tem Deus conversando com o Seu Filho): Há três anos venho procurar fruto nesta figueira e não acho (Por três anos Deus esteve encarnado em Seu Filho ministrando; esse foi o tempo que durou o Seu ministério, levando a mensagem do Evangelho do Reino para Israel); podes cortá-la; para que está ela ainda ocupando inutilmente a terra? Ele, porém, respondeu: Senhor, (O Viticultor falando com o Proprietário) deixa-a ainda este ano, até que eu escave ao redor dela e lhe ponha estrume. (Vou por nutrientes e alimentá-la.) Se vier a dar fruto, bem está; se não, mandarás cortá-la.

E o que foi que aconteceu? Ela teve que ser cortada! O estrume veio. A terra da figueira foi adubada. Quando foi isso? Quando veio o Espírito Santo sobre a igreja que estava em Israel. Quando o Espírito Santo foi derramado sobre a igreja com Seus nutrientes para dar-lhe vida. Os nutrientes não eram somente para a figueira, mas para a vinha também. Aquela então havia sido a última oportunidade de Israel. E eles receberam? Não. Eles até perseguiram aquela Igreja. Estevão foi apedrejado. O rei Herodes matou Tiago ao fio da espada e as Escrituras dizem em Atos que todo povo judeu se alegrou com isso, e para agradar mais o povo judeu, suas autoridades perseguiram Pedro e aprisionaram os apóstolos. Enfim, não houve uma conversão. Israel, a figueira, continuou estéril e sem dar frutos. E qual foi o resultado? Você sabe. A História lhe conta.

A figueira e a vinha

Você tem os livros históricos de Josefo, que falam do cerco romano de Tito sobre a cidade de Jerusalém que duraram quatro anos, do ano 66 até o ano 70. E no dia 10 de agosto, o templo de Jerusalém foi queimado; foi destruído. Sabe-se que nem os romanos queriam isso. Os próprios soldados tentaram apagar o incêndio do templo, mas tudo foi em vão. Porém isso não foi por amor ou consideração à religião judaica. Não. Era por causa do ouro que havia lá dentro e que eles queriam tomá-lo. Enfim, tudo foi destruído e Israel foi cortado pela raiz. Os judeus foram expulsos da sua terra e sofreram uma das mais longas diásporas da História. A parábola da figueira se cumpriu literalmente, porque eles rejeitaram aquela última obra que o Viticultor iria fazer sobre a Sua Vinha e a figueira.

Todo o Israel Será Salvo

Agora, o apóstolo Paulo nos disse que essa cegueira de Israel serviu para que o Evangelho chegasse até nós, os gentios.

Romanos 11:25-32

Porque não quero, irmãos, que ignoreis este mistério (para que não sejais presumidos em vós mesmos): que veio endurecimento em parte a Israel, (Ou seja, alguns judeus creram no mistério de Cristo ser o Filho de Deus, enquanto outros rejeitaram) até que haja entrado a plenitude dos gentios. E, assim, todo o Israel será salvo...

Não será mais um judeu aqui, um judeu ali, um crente em Yeshua ha Mashiah aqui e outro ali, como tem sido por séculos. Não. Todo o Israel, quer dizer, Israel como nação, como país. É disso que Paulo está falando. Deus não rejeitou o povo judeu. Isso aqui já desfaz a teologia da substituição que vê as profecias relacionadas a Israel se cumprindo apenas na Igreja. Como que você quer ver isso aqui se cumprindo na Igreja? Paulo não está se referindo a Igreja. A teologia da substituição não tem amparo algum aqui. Ele está se referindo a Israel.

...Como está escrito: "Virá de Sião o Libertador e Ele apartará de Jacó as impiedades. Esta é a Minha aliança com eles, quando Eu tirar os seus pecados". (Agora, preste atenção aqui) Quanto ao evangelho, são eles inimigos por vossa causa; (Relembrando mais uma vez da parábola dos dois irmãos, o irmão mais velho, o ciumento, se converteu em um inimigo para o seu irmão mais novo, que tipifica a inimizade dos judeus pelos gentios, e eles continuam até hoje sendo inimigos, pois os judeus estão cegados. Eles são nossos inimigos, pois não creem no Evangelho; estão cegados, não dão frutos, continuam estéreis. E agora? Será que eles irão para o inferno? Escute isso aqui) quanto, porém, à eleição, amados por causa dos patriarcas.

"Como assim, irmão Diógenes? Quer dizer que mesmo não crendo em Yeshua ha Mashiah ou em Cristo, como nós cremos, eles ainda assim poderão ser salvos?". É isso o que Paulo está dizendo. "Não, irmão Diógenes, eu não posso crer, não pode ser". Então você não pode crer na Mensagem, porque quando o irmão Branham pregou sobre o Quinto Selo, o que foi que ele disse que aquelas almas debaixo do altar eram? Eles não eram cristãos; eram judeus.

O Quinto Selo (22/03/1963) §§ 221, 226

Agora, quem são estas almas, então? Essa é a coisa seguinte. Quem são elas, então, se não são a Igreja primitiva? Este é Israel que há de ser salvo como nação, todos aqueles que são predestinados. Esse é Israel. Esse é o próprio Israel. (...) Agora, eles são Israel, que está debaixo deste altar. Observem. Israel foi cegado com o exato propósito de nós sermos salvos... Agora, quem os cegou? Deus. Deus cegou Seus próprios filhos.

O irmão Branham disse que aqueles judeus que estavam lá não eram crentes em Jesus. Não, não, não, não.

O Quinto Selo (22/03/1963) §§ 241-243

Agora, lembre-se. Que foi isto? "Eles foram mortos por amor da Palavra de Deus," não por amor do testemunho de Cristo. (Porque eles não criam em Cristo; eram nossos inimigos por causa do Evangelho. O irmão Branham disse que as almas que ali estão são desde o tempo da crucificação até o dia em que todo o Israel for salvo.) Vocês entenderam isso? Mas, lembrem-se, a Igreja entra, também, os mártires da Igreja, foi por amor da Palavra de Deus e por amor do testemunho de Jesus Cristo... Mas estes não tinham o testemunho de Jesus Cristo. ...por amor da Palavra de Deus, e por amor do testemunho que deram.

Mesmo não tendo o testemunho de Cristo, não se perderam porque eram predestinados. O irmão Branham disse que embora eles não fossem crentes em Jesus, aquelas almas não estavam perdidas e condenadas ao inferno; eles estavam lá esperando a sua salvação, esperando o momento certo até que os outros fossem mortos como eles foram e se reunissem a eles. Aqueles, disse o irmão Branham, eram os judeus que estavam praticando o judaísmo ao pé da letra.

O Quinto Selo (22/03/1963) §§ 252, 286

"Eles se mantiveram ao lado Palavra de Deus." Eles eram judeus. Eles tinham sua lei; eles permaneceram com ela. (...) E essas almas que foram martirizadas, agora, por aqui, judeus legítimos e verdadeiros por ali; que tinham seu nome no Livro, (predestinados) que viveram uma vida certa e fizeram o certo, viveram o judaísmo ao pé da letra.

"Mas, como isso é possível, irmão Diógenes? Como Israel será salvo se foram os próprios judeus que mataram Jesus?". O irmão Branham nos lembrou que assim como José perdoou os seus próprios irmãos que tentaram matá-lo, assim fará Jesus Cristo com os Seus irmãos judeus. Eles são amados por causa dos patriarcas. Os dons e a vocação são irrevogáveis. Mesmo sendo teu inimigo por causa do Evangelho, porque não creem como você...aqueles que pertencem à eleição segundo a graça serão salvos porque Deus fez uma promessa.

Então isso já serve até como um alerta para você e até para aqueles que se dizem crentes ou cristãos, mas que na verdade nutrem um sentimento anti-semita, ou seja, de ódio e descaso pelos judeus. Tenha muito cuidado! Porque é mais fácil um judeu ser salvo mesmo sendo ele teu inimigo, do que você querer ser salvo sendo um inimigo de Israel. Foi por isso que Paulo disse: "Não sejais presumidos". Está aqui! Paulo e Branham estão falando a mesma coisa.

Porque assim como vós também, outrora, fostes desobedientes a Deus, (Nós gentios éramos um povo insensato, como o filho pródigo da parábola que tomou a sua parte da herança e se afastou) mas, agora alcançastes misericórdia, à vista da desobediência deles, assim também estes, agora, foram desobedientes, para que, igualmente, eles alcancem misericórdia, à vista da que vos foi concedida. Porque Deus a todos encerrou na desobediência, a fim de usar de misericórdia para com todos.

Então pense duas vezes antes de dizer que Deus será injusto em salvar todo o Israel mesmo sendo hoje nossos inimigos, porque mesmo você tendo sido um inimigo de Cristo no passado, Ele morreu por você e te resgatou. Portanto a mesma misericórdia que o Senhor demonstrou a nós, se estenderá também a toda a nação de Israel.

O que Paulo aqui está nos dizendo é que foi necessário que houvesse uma apostasia, uma rebelião da parte de Israel para que a salvação viesse para nós, os gentios. Porém, para que Deus Se volte agora para os judeus e leve a salvação até eles, terá que ocorrer uma apostasia entre as igrejas ditas "cristãs" também, por meio da crucificação da Palavra. Aliás, tal crucificação seria ainda pior que a crucificação feita pelos judeus, pois os que crucificaram a carne do Filho de Deus ainda poderiam ser salvos, se houvesse um arrependimento, mas os que crucificam a Palavra já não podem mais ser. Desta forma, ocorrendo uma apostasia entre os cristãos, e estando o cálice da ira completamente cheio, Deus virará as costas para os gentios e Se voltará para Israel, para realmente lidar com eles como uma nação, porque Deus não rejeitou o Seu povo.

Enquanto isso não acontece, Israel está planejando construir o seu terceiro templo cuja planta já está pronta; os utensílios já foram confeccionados e o sacerdócio levita está sendo formado e treinado, inclusive alguns grupos ortodoxos já tem sacrificado cordeiros em frente ao monte do templo, onde agora se encontra a Cúpula da Rocha. Embora Israel tenha retomado o controle de Jerusalém com a Guerra dos Seis Dias, em 1967, a área do Monte do Templo permanece sob custódia da Jordânia sob os termos do tratado de paz. Deste modo, os judeus israelenses podem até entrar no complexo, mas não podem orar ou realizar cerimônias religiosas. Porém esse terceiro templo poderá ser edificado ainda em nossos dias ou até mesmo durante o período da Grande Tribulação, que iniciará logo após quando ocorrer a grande apostasia com o domínio mundial do anticristo.

Planta do local onde possivelmente será construído o terceiro templo de Jerusalém

Compreendendo o Simbolismo da Parábola das Dez Virgens

Mas quando ocorrer essa apostasia e Deus Se voltar para Israel, o irmão Branham nos conta que ocorrerá o arrebatamento da Noiva. A Igreja será arrebatada, e então será nesta ocasião que Deus Se voltará para os judeus, e também será nesse tempo que Deus enviará para os judeus os profetas Moisés e Elias. E para ilustrar esse momento em que a igreja gentílica é arrebatada e o Senhor Se volta para os judeus a fim de prepará-los para mais tarde reuni-los à Noiva, Jesus também fez uso de uma parábola para falar sobre tudo isso, e a parábola que Ele usou foi a das dez virgens.

Mateus 25:1-13

Então, o reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram a encontrar-se com o noivo. Cinco dentre elas eram néscias, e cinco, prudentes. As néscias, ao tomarem suas lâmpadas, não levaram azeite consigo; no entanto, as prudentes, além das lâmpadas, levaram azeite nas vasilhas. E, tardando o noivo, foram todas tomadas de sono e adormeceram. Mas, à meia-noite, ouviu-se um grito: Eis o noivo! Saí ao seu encontro! Então, se levantaram todas aquelas virgens e prepararam as suas lâmpadas. E as néscias disseram às prudentes: Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas estão-se apagando. Mas as prudentes responderam: Não, para que não nos falte a nós e a vós outras! Ide, antes, aos que o vendem e comprai-o. E, saindo elas para comprar, chegou o noivo, e as que estavam apercebidas entraram com ele para as bodas; e fechou-se a porta. Mais tarde, chegaram as virgens néscias, clamando: Senhor, senhor, abre-nos a porta! Mas ele respondeu: Em verdade vos digo que não vos conheço. Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora.

As dez virgens

Sabemos perfeitamente que o irmão Branham usou essa parábola para nos dar uma mensagem que cremos ter sido revelada a Ele por Deus. O irmão Branham ensinava com essa parábola que haveria um povo que seria tirado das igrejas e das denominações, o qual seria a Noiva de Cristo, tipificado pelas virgens sábias, enquanto que as virgens néscias tipificam os demais que se dizem cristãos, mas que não foram realmente regenerados pelo óleo do Espírito para adoção. Estes, portanto, não subirão no arrebatamento. E dessa forma, vemos que em termos gerais, o irmão Branham usou essa parábola para dar a ela a mesma aplicação que vários outros teólogos do seu tempo também estavam dando, embora com uma abordagem um pouco diferente dos outros.

Alguns interpretam que as cinco virgens são tipos da Noiva por causa da declaração do apóstolo Paulo, onde ele dizia estar preparando para Cristo um povo, como uma virgem pura é preparada para o seu esposo.

2 Coríntios 11:2

Porque zelo por vós com zelo de Deus; visto que vos tenho preparado para vos apresentar como virgem pura a um só esposo, que é Cristo.

O irmão Branham achou por bem interpretar dessa mesma maneira, o que para nós está tudo bem, pois como ele tinha uma mensagem de Deus, tudo o que o Seu profeta quis fazer foi tentar usar toda a Escritura que ele tivesse ao seu alcance para poder ilustrar essa mensagem divinamente revelada. Então ele utilizou essa parábola para falar disso, o qual é bíblico, porque você sabe que realmente existem alguns que se dizem cristãos e que até possuem uma forma de piedade, mas que não são de fato a Noiva porque não receberam a revelação dada pelo Espírito Santo, tipificado pelo óleo de azeite. E por não poderem enxergar no escuro pela falta de azeite em suas lâmpadas, as virgens néscias estavam como que cegadas, o qual é um tipo da era de Laodicéia, que é pobre, miserável, cega e nua. As virgens sábias tipificam então aqueles que foram iluminados pela revelação do Alarido que seria dado no tempo do fim, enquanto que os demais que recusassem tal Mensagem, não teriam a revelação e a perfeita compreensão da Palavra.

Então o irmão Branham usava essa parábola para fazer uma distinção entre a igreja natural e a igreja espiritual, ou entre a vinha verdadeira e a falsa vinha, da mesma maneira como também para ilustrar aquelas diferentes classes de crentes: o manufaturado, o crente e o incrédulo. E assim, ele usava essa parábola para fazer todas as ilustrações possíveis que refletissem o seu entendimento das Escrituras e do que estava se passando em nossos dias. Nós entendemos tudo isso mui perfeitamente.

Como já dissemos, quando o irmão Branham pegava uma Escritura ou mesmo uma parábola, ele podia muito bem fazer as suas próprias adequações para transmitir a sua mensagem, e embora ele se colocasse ou focasse apenas naquela adequação que ele havia feito, isso não quer dizer que ele estava invalidando algum outro sentido que aquela mesma Escritura ou parábola possuísse.

Então ainda que ele se focasse - da mesma forma como outros ministros do seu tempo - apenas nessa única interpretação que ele deu para a parábola das dez virgens, isso não anularia algum outro sentido que aquela mesma parábola pudesse ter, porque na verdade essa parábola possui mais uma outra possível conotação. O irmão Branham usou essa parábola para se referir à Noiva, e como dissemos, não há nenhum problema quanto a isso, pois vários outros adotaram essa mesma interpretação, embora com variáveis maneiras de exposição. Porém, essa parábola, na verdade, visto por um outro ângulo, pode não estar tratando exatamente da Noiva, e talvez nem fosse esse o propósito de Cristo quando a contou.

Uma outra conotação que pode ser atribuída àquelas virgens seria para com o povo de Israel. E há uma certa dificuldade para alguns assimilarem isso, em razão de haver também um problema sério de tradução aqui, e esse problema de tradução dificulta consideravelmente a uma aplicação mais justa e correta que poderia ser dada a esta parábola. Isto porque, segundo alguns tradutores, quando essa tradução foi feita, uma palavra que estava ali, em algum momento foi removida e deixada de fora das cópias e traduções posteriores, e essa única palavra poderia fazer toda a diferença na sua interpretação.

Porém algumas traduções têm colocado essa palavra de volta ao seu lugar. Eu encontrei a tradução de um tradutor da Bíblia chamado James Moffat, e ao fazer a sua tradução, colocou aquela palavra de volta no seu devido lugar. Nós não temos essa tradução para o português; porém eu obtive a versão em inglês e fiz a tradução. Nessa tradução de James Moffat você irá ler da seguinte maneira em Mateus 25. Ele traduziu dessa forma:

"Então o reino dos céus será comparado a dez moças solteiras que tomaram as suas lâmpadas e saíram para se encontrar com O NOIVO E A NOIVA."

Então de acordo com essa parábola, o noivo já estava casado com a sua noiva e não indo de encontro a alguém para casar-se. Mas muitos, inclusive na Mensagem, estão interpretando que aquele noivo estaria indo de encontro àquelas virgens para se casar com todas elas. Ainda que se trate de uma parábola como qualquer outra, com todo o seu teor simbólico como é de costume, em momento algum Jesus estava insinuando alguma espécie de união poligâmica, onde um único noivo estaria se aprontado para se casar com dez virgens, ou que as mesmas fossem a princípio dez noivas prometidas a um único homem, porque em nenhum momento Jesus disse que aquelas virgens eram noivas. Porém é exatamente essa interpretação que está sendo dada por alguns, quando literalmente se pensa que esse noivo estaria chamando a essas virgens para casar-se com elas, e que porque algumas se atrasaram, decidiu então casar-se apenas com as que ele considerou pontuais quando as chamou.

Então se este noivo não estava chamando virgens para contrair matrimônio, uma vez que ele já possuía esposa, dentro desse novo contexto, a conotação atribuída às virgens sábias como um tipo da Noiva de Cristo perderia o sentido. Por causa desse problema de tradução, Moffat colocou uma nota de rodapé dando o seguinte esclarecimento:

"A expressão 'e a noiva' está adicionada nas versões latina, síria etc. (Há várias bíblias que têm essa palavra "noiva" no seu devido lugar) Sua omissão (aqui ele dá o seu parecer, a sua explicação do porque essa palavra teria sido removida) talvez acontecesse pelo fato de a igreja posterior sentir que somente Jesus, como Noivo, deveria ser mencionado".

Nota da bíblia de Moffat

Eu creio que essa sugestão poderia estar certa, porque realmente é a figura do noivo que sobressai, enquanto que sua noiva parece estar um pouco fora de cena. Agora, Moffat disse que na tradução latina você também encontrará isso, o qual estava se referindo à tradução da Vulgata. Então vejamos como foi que Jerônimo traduziu essa parte da parábola:

Então será semelhante o reino dos céus a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram a receber O ESPOSO E A ESPOSA.

Há outras versões da Bíblia, como o Aramaic Bible in Plain English (Bíblia Aramaica no Inglês Comum, sem tradução para o português), que também nos fornece uma tradução mais apropriada deste versículo, não esquecendo que o aramaico era o idioma que Jesus falou quando contou esta parábola:

Então o Reino dos Céus será comparado a dez virgens; as mesmas tomaram suas lâmpadas e foram ao encontro DO NOIVO E DA NOIVA.

Ainda na tradução da Bíblia de Douay-Reims, lemos da seguinte maneira:

Então o reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram ao encontro DO NOIVO E DA NOIVA.

Inclusive essa parábola das virgens não aparece nos outros evangelhos, mas somente em Mateus, e devemos nos lembrar que esse evangelho em particular foi escrito especialmente para os judeus, onde o autor fez um grande esforço para convencer aos seus irmãos de que Jesus de Nazaré era o Messias profetizado. É por essa razão que esse evangelho foi originalmente escrito em hebraico, e só mais tarde teria sido feita uma versão para o grego, sendo que o seu texto original acabou depois se perdendo.

Então se nessa parábola o esposo já estaria com a sua esposa, isso significa que dentro de uma nova conotação, a Igreja já estava arrebatada. É isso mesmo. Nessa parábola o arrebatamento já aconteceu! Então, quem são essas virgens? Você nunca saberá quem são elas se não conhecer um pouco das antigas tradições judaicas, do contrário, você cometerá o erro de tentar compreender um livro de conteúdo oriental com uma mentalidade ocidental.

Qual era o procedimento dos casamentos orientais? Havia uma certa flexibilidade ou variação, é claro; nem todos faziam formalmente do mesmo jeito, mas em termos gerais, primeiramente, os pais organizavam o casamento com o consentimento da noiva e do noivo. A seguir, o casal passava por um período de noivado de alguns meses. No dia do casamento, o noivo iria à casa da noiva para reivindicá-la de seus pais. Nessa ocasião o noivo era seguido pelos seus moços solteiros que o cobriam segurando um talit, uma espécie de capa que era segurada pelas suas extremidades, até chegar à casa do pai da noiva, onde lá também se encontravam as damas de honra da futura esposa que eram as suas acompanhantes. A cerimônia de casamento acontecia na casa da noiva, e depois ocorria uma procissão noturna pelas ruas, onde o noivo levava a noiva consigo até a casa onde ambos viveriam. Em vários pontos desse caminho, os amigos dos noivos se juntavam ao cortejo. A noiva e o noivo consumavam o seu casamento na casa do noivo na mesma noite da cerimônia de casamento, e então os amigos dos noivos entravam para a festa do casamento que normalmente durava uma semana.

As cinco virgens sábias com suas lâmpadas acesas indo de encontro ao noivo e sua noiva.

As virgens da noiva eram sempre as últimas a entrar nas bodas. O noivo tinha os seus acompanhantes que eram moços e solteiros, e a noiva tinha as suas donzelas, que eram solteiras e virgens. Até hoje os judeus celebram, variavelmente, os casamentos dessa maneira. Porém você jamais verá um noivo judeu se casando com as donzelas que acompanham a esposa ao cortejo. Portanto Jesus não estava pregando poligamia e muito menos sugerindo algo assim, porque essas virgens aqui não se casam com o noivo, e é por isso que ao olharmos sob este outro ângulo, elas não poderiam ser tipo da Noiva, porque segundo esta parábola, a Noiva já estaria com Cristo. É disso que Jesus está falando aqui.

Mas qual foi mesmo a interpretação ocidental que alguns deram para esse costume oriental? De que o noivo estava indo para se casar com dez virgens. Por favor, nem os que ouviram Jesus contar a parábola poderiam interpretar dessa maneira, pois eles sabiam perfeitamente a que costumes Jesus estava levando em consideração para a sua parábola, embora certamente não entendessem o significado proposto. Então Jesus apenas tomou alguns elementos de um casamento normal como era feito naquele tempo, para expressar um ensinamento.

Esse costume oriental não começou no tempo de Jesus; ele era muito mais antigo. Portanto esse cortejo de virgens seguindo a uma noiva já existia séculos antes. Podemos verificar isso no Salmo 45, que é um Salmo messiânico, pois fala do reino Milenial, que será quando Cristo Se unirá à Sua Noiva e a fará rainha de Seu reino.

Salmo 45:13-14

Toda formosura é a filha do Rei no interior do palácio; (essa filha do Rei somos nós, a Noiva, a Rainha) a sua vestidura é recamada de ouro. Em roupagens bordadas conduzem-na perante o Rei; as virgens, suas companheiras que a seguem, serão trazidas à tua presença.

Essas virgens apenas faziam companhia à rainha, mas elas não eram noivas do rei. E da mesma maneira as virgens da parábola também não se casam com o noivo que as chama, pois o Rei só possui uma única esposa. Por favor, a Igreja de Jesus sempre foi representada apenas por uma única mulher. "Não, mas aqui irmão Diógenes, é uma parábola...". Não, irmão. Nem em sonho, nem em fantasia e nem em parábolas. A Igreja sempre foi representada por uma mulher; não duas, três, quatro, cinco, dez, quinze ou vinte.

Jesus não estava dizendo que esse noivo estava comprometido com dez mulheres, mas porque cinco não chegaram pontualmente, resolveu casar-se somente com as outras cinco que estariam preparadas. Não! O ocidental quer interpretar um rito oriental com uma mentalidade ocidental, mas isso não irá funcionar. Então eu espero que agora você já esteja entendendo de quem essas virgens estão se referindo, dentro dessa outra perspectiva.

Segundo essa nova conotação na qual estamos adentrando, essas virgens aqui são o povo judeu; seria Israel como nação, porque aqui o arrebatamento da Noiva gentílica já aconteceu, e quando isso suceder, Jesus descerá também com um Alarido para chamar agora Israel para sua conversão. Aquelas virgens remanescentes que entraram para as bodas tipificam os 144.000 judeus remanescentes que serão selados durante a Grande Tribulação. As virgens néscias não tinham óleo e para elas será dito: "Vão procurar os vendedores de azeite". Quem são os vendedores de azeite? Poderiam muito bem ser Moisés e Elias. Aqueles que derem ouvidos para a mensagem dos profetas serão selados. Porém quando aqueles profetas forem martirizados e seus corpos expostos na praça da cidade, será igualmente o fim para aqueles judeus que não creram a tempo em sua mensagem, pois o Selo expirará. Então chegará o momento em que quando ocorrer a tribulação, aqueles que estiverem despreparados descobrirão ser tarde demais para encontrar-se com o Messias.

Na parábola não é dito que as virgens néscias voltaram com azeite em suas lâmpadas, e isso porque elas não conseguiram encontrar os tais vendedores. Será tarde, pois Moisés e Elias já terão partido. Então essas virgens néscias tipificam aqueles judeus que se gloriavam das obras que estavam fazendo, porque nessa época o templo de Jerusalém já estará construído e muitos estarão apresentando os seus sacrifícios, guardando os sábados e festas, cumprindo com todos os rudimentos do judaísmo, etc, e vão achar que aquilo estará sendo suficiente para Deus e que Ele estará simplesmente satisfeito com isso. Deus estará enviando profetas para Israel, mas eles os recusarão e os rejeitarão. No entanto, cada filho da casa de Israel que der ouvidos à mensagem de Elias e de Moisés serão selados, enquanto que aqueles outros são como virgens néscias. Eles são virgens, praticam o judaísmo, mas viveram do clarão de uma era passada; preferiram ficar com os sacrifícios e rejeitar a mensagem do Elias do seu tempo. E assim como vai expirar o selo dos gentios a qualquer momento, também vai expirar o selo para os judeus. É disso que Jesus estaria tratando aqui.

De qualquer maneira, essa situação que foi criada, de desespero das virgens néscias em busca por azeite, mostra uma situação futura com a qual essas pessoas se defrontarão e que buscarão de todas as formas um meio de corrigir, mas que será tarde. O mesmo não poderia se aplicar se essas virgens néscias se tratassem unicamente dos meros religiosos frios e formais de hoje, pois estes em momento algum se deparam com a necessidade de corrigir-se em algo, visto que até o final de suas vidas crerão que o seu modo de viver sempre foi o correto. Como então estes depois de mortos desejarão correr atrás de algum azeite? Como poderão pedir para dar-lhes o que eles descobriram tardiamente não possuir? E para quem eles pedirão? Para os vivos ou também para os que já dormem? Nós poderíamos com a força de nosso imaginário transpor isso para uma outra dimensão, onde essas virgens seriam os ímpios mortos aguardando pelo seu juízo e solicitando por uma nova chance, mas na parábola tudo isso acontece ao lado das sábias.

Então dentro dessa outra conotação que estamos considerando, essas virgens néscias pedindo por azeite não seriam os crentes ímpios de todas as eras que já partiram, pois os tais nunca fizeram nada semelhante a isso; portanto elas deveriam representar mais especificamente pessoas que estariam presentes no momento em que os santos são levados. Estas pessoas da parábola saberão que falharam em algo, e sinceramente tentarão de todos os modos reparar isto, porém sem sucesso. Portanto a figura das virgens néscias nos apontaria para algo que ainda irá acontecer, e não para algo que está ou que já aconteceu.

As Virgens Néscias Irão Para a Perdição Eterna

Dentro da abordagem que o irmão Branham utilizava para essa parábola, aquelas virgens, ainda que néscias, seriam salvas depois na segunda ressurreição quando o Livro da Vida e o livro das obras forem abertos (Apocalipse 20:12), mas dentro dessa outra conotação, elas não poderiam ser, porque na parábola Jesus disse que quando as virgens néscias bateram na porta, o noivo respondeu: "Em verdade vos digo que não vos conheço". Jesus jamais dirá "não vos conheço" para alguém que foi eleito e predestinado. Essas palavras serão dirigidas somente para aqueles que de modo algum entrarão no reino dos céus.

Mateus 7:21-23

Nem todo o que Me diz: Senhor, Senhor, entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de Meu Pai, que está nos céus. Muitos Me dirão naquele dia: (Possivelmente diante do Grande Trono Branco) Senhor, Senhor, não profetizamos nós em Teu nome? E em Teu nome não expulsamos demônios? E em Teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de Mim, vós que praticais a iniquidade.

Estes de fato não são conhecidos por Deus como alguém que leve consigo os Seus genes ou atributos como filhos Seus; Ele não os conhece porque nunca tiveram em Cristo uma representação. Portanto dentro deste contexto, estas virgens néscias são semente da serpente, ainda que sejam religiosos e praticantes do judaísmo, como os outros judeus eleitos que morreram.

O Quinto Selo (22/03/1963) §§ 288-289

Há um bando de judeus que são renegados, (as virgens néscias) exatamente como há gentios da mesma maneira. (A mesma figura da virgem néscia também se ajusta a um falso crente) Mas o verdadeiro judeu, Deus pôs seu nome no Livro antes da fundação do mundo.

Então para esses a quem Cristo algum dirá "Não vos conheço", na verdade nunca tiveram seus nomes escritos no Livro da Vida, pois nem todo o que se diz judeu é de fato um israelita segundo a eleição. Vejamos como o apóstolo Paulo explicou isso:

Romanos 9:6-8

Nem todos os que são de Israel são israelitas; nem por serem descendência de Abraão são todos filhos; mas: Em Isaque será chamada a tua descendência. Isto é, não são os filhos da carne que são filhos de Deus, mas os filhos da promessa são contados como descendência.

O apóstolo Paulo também disse que ainda que sejam muitos os que são da descendência de Israel, apenas um remanescente é que será salvo.

Romanos 9:27

Também Isaías clama acerca de Israel: Ainda que o número dos filhos de Israel seja como a areia do mar, o remanescente é que será salvo.

E como sabemos, esse remanescente será de 144 mil. Portanto nem todo o judeu será salvo, ainda que guarde a lei e siga o judaísmo ao pé da letra. Então quando o Noivo negar entrada a estes alegando não conhecê-los, Ele não irá futuramente voltar atrás e os salvar em alguma outra oportunidade, como no dia do Grande Trono Branco, porque de fato Ele não os conhecia como filhos da eleição, visto que estes não eram filhos da promessa ou filhos de Deus, ainda que fossem judeus na carne.

Os 144 Mil Serão Chamados Virgens e Não Estarão na Noiva

Então como as virgens sábias não se casam com aquele noivo, e seriam ao mesmo tempo um tipo do Israel remanescente que será salvo, tal conotação embora não fosse usada nenhuma vez pelo irmão Branham, não criaria conflito algum com a sua mensagem, visto que ele ensinou em várias ocasiões que os judeus não fazem parte da Noiva.

Perguntas e Respostas Sobre Hebreus Nº. 1 (25/09/1957) §§ 68-69

Observe! A tribo de Judá, doze mil; a tribo de Rubem, doze mil; e assim por diante, Gade, doze mil; Naftali, e - e - e todo o caminho até Aser, e - e Zebulom, e todas estas doze tribos de Israel. E doze vezes doze são quanto? Cento e quarenta e quatro mil. Estes são os cento e quarenta e quatro mil judeus. Não gentios, judeus. NÃO TÊM NADA A VER COM A NOIVA. (Exato! Da mesma maneira como as virgens sábias que não se casam com o noivo. Então segundo essa outra conotação que estamos avaliando para aquela parábola, as virgens sábias não são um tipo da Noiva, mas do remanescente judeu que será salvo na tribulação) Então os Testemunhas de Jeová estão errados em sua doutrina. A Bíblia diz claramente que eles são "judeus" e não gentios. Eles são os servos de Deus, e o gentio nunca foi considerado servo. Nós somos filhos e filhas, não servos.

Bom, e é exatamente isso que aquelas virgens da parábola são: servas.

Outra coisa que precisa ser considerada é que o irmão Branham sempre nos fazia lembrar da esposa gentia de José que ficara à parte no palácio, enquanto ele se revelava aos seus irmãos para depois cuidar de todos eles. O irmão Branham usava isso como um tipo para ilustrar a ocasião em que após o arrebatamento da Noiva ter acontecido, Cristo descerá para Se revelar a Israel resgatando os judeus remanescentes.

O Quinto Selo (22/03/1963) §§ 268-270

Os cento e quarenta e quatro mil nasceram na Sua ausência, enquanto Ele estava longe para obter Sua Noiva gentia. (...) Ainda que tenham tentado se livrar de José, sua graça se estendeu a eles. Ainda que eles tenham tentado se livrar de Jesus, Ele ainda volta a Se aproximar (porque eles estavam cegos) e lhes dá, a cada um, uma veste branca. Ele irá levá-los diretamente para o lar, de qualquer maneira. Não faz nem um pouquinho de diferença, porque Ele já disse: "Eu salvarei a todos eles, de qualquer maneira."

E é exatamente isso que estamos vendo nessa parábola. A noiva já está com o noivo, porém ela se encontra fora de cena - como a esposa de José - enquanto o noivo chama as damas de honra de sua esposa para que em seguida se unam a eles.

A Festa das Trombetas (19/07/1964) § 219

Recordem, a Noiva já está no Céu. A esposa de José estava no palácio, e José despediu tudo que estava ao redor dele, e se fez conhecido a seus irmãos (as virgens sábias). Vê? A sua Esposa, e filhos, e eles estavam no palácio quando Ele retornou para Se fazer conhecido aos judeus. (O que é isso? O esposo chamando as virgens sábias) Aí está a Expiação, aí está o som da sua trombeta.

Vejamos como o irmão Branham expôs tudo isso de forma ainda mais clara no livro das Eras da Igreja.

Uma Exposição das Sete Eras da Igreja, páginas 27-28

Agora voltando à história de José encontrando-se com seus irmãos. Você se recorda que nem todos os irmãos vieram. José sabia disso e insistiu que todos os irmãos aparecessem diante dele, ou ele não poderia se dar a conhecer a eles. Finalmente eles trouxeram o que estava faltando, o pequeno Benjamim. (Em alguns instantes ele dirá que esse Benjamim tipifica os 144.000 judeus remanescentes que serão salvos) Foi o pequeno Benjamim, o irmão germano de José, que incendiou sua alma. E quando nosso José, isto é, Jesus, vier às pessoas que têm guardado os mandamentos de Deus e que têm voltado para a Palestina, Sua alma Se incendiará. O pequeno Benjamim tipifica os 144.000 israelitas provenientes de toda terra que têm voltado para a Palestina para sua redenção. Eles se encontrarão lá prontos para receber Aquele, ao Qual conhecer corretamente é eterna Vida. Eles dirão: "Este é o nosso Deus por Quem temos esperado." Então eles verão Aquele a Quem traspassaram. E eles chorarão desalentados: "De onde vieram estas horríveis feridas? Como isto aconteceu?" E eles prantearão e chorarão, cada família à parte, cada qual à parte na agonia da dor.

O irmão Branham aqui está citando Zacarias 12:10, e se você continuar a leitura até o versículo 14, você encontrará ali um resumo da conversão nacional do povo judeu. E é disso que o irmão Branham está tratando aqui, o que mostra que ele realmente cria nisso. Deus nunca rejeitou Israel como sendo uma nação. Nunca!

Agora onde estará a Igreja gentia enquanto Jesus está dando-Se a conhecer aos Seus irmãos? Recorde que a noiva de José com os dois filhos estava no palácio, pois José tinha ordenado: "Que todos me deixem; façam-nos todos saírem de diante de mim." Portanto a noiva gentia estava escondida no palácio de José. Aonde irá a Igreja gentia no arrebatamento? Para dentro do palácio. A noiva será retirada da terra. Ela será arrebatada antes da grande tribulação, a encontrar seu Senhor nos ares. Por três anos e meio enquanto a ira punitiva de Deus é derramada, ela estará na grande Ceia das Bodas do Cordeiro. Então Ele retornará, deixando Sua noiva na "casa de Seu Pai," enquanto Se dá a conhecer aos Seus irmãos(É por essa razão que na parábola das virgens a noiva não aparece, porque ela está na "casa do Pai". Mas depois o noivo chama pelas virgens para fazer companhia a ele e à sua noiva) Neste mesmo tempo, o pacto anticristão que os judeus fizeram com Roma será quebrado. Roma e seus aliados então enviam suas tropas para destruir todos os judeus tementes a Deus e fiéis à Palavra. (O irmão Branham fala no "Quinto Selo" que os 144.000 serão martirizados.) Mas enquanto eles vêm contra a cidade para destruí-la, aparecerá nos céus o sinal da vinda do Filho do Homem (Isso é o noivo chamando pelas virgens) com Seus poderosos exércitos (os companheiros do noivo) para destruir aqueles que andam destruindo a terra. Com o inimigo desbaratado, Jesus então vem e apresenta-Se aos 144.000. Tendo visto Seus poderosos atos de salvação, eles chegaram a conhecer Seu poder. Mas também ao verem Suas feridas e saberem que eles O tinham rejeitado até aquele momento, os faz chorar na agonia do terror e temor, assim como fizeram seus irmãos de outrora quando estavam diante de José, tendo forte medo de que fossem mortos. Mas como José disse: "Não fiquem zangados com vocês mesmos. Está tudo bem. Deus estava em tudo isto. Ele fez isto para conservar a vida". Da mesma forma Jesus expressará paz e amor para eles. Por que os judeus rejeitaram Jesus? (Por quê?) Deus estava em tudo aquilo. Foi a única maneira pela qual Ele podia trazer à luz a Noiva gentia. Ele morreu na cruz para conservar a vida da Igreja gentia. Agora ESTES 144.000 NÃO ESTÃO NA NOIVA. (Claro! E na parábola, as virgens sábias não se casam com o noivo; ele já está casado com sua esposa.) Em Apoc. 14:4 eles são chamados VIRGENS (Agora você está entendendo. As cinco virgens remanescentes tipificam os 144 mil judeus que se unirão ao cortejo do Noivo e da Sua Noiva) e seguem o Cordeiro para onde quer que vai. O fato de que eles não têm se contaminado com mulheres mostra que são eunucos (Mat. 19:12). Os eunucos eram os guardas das câmaras nupciais. Eles eram servidores. (Exatamente como as virgens da parábola) Note que eles não se assentam no trono mas estão diante do trono. NÃO, ELES NÃO ESTÃO NA NOIVA, mas estarão no glorioso reino milenar.

Todo o Israel será salvo como nação. Quanto ao noivo, realmente não se casa com essas virgens porque elas são as companheiras da noiva; são suas servidoras, da mesma maneira como o remanescente judeu que será salvo não será visto como a esposa do Cordeiro, mas estará no Milênio.

Todas as Escrituras Possuem Um Significado Composto

Então com isso podemos concluir que embora o irmão Branham se detivesse em apenas um único sentido para a parábola das virgens, o que ele ensinou com aquela conotação não conflitaria em nada com o outro significado que essa parábola poderia ter. E enquanto estudiosos tentam escolher uma única interpretação possível para essa parábola, podemos verificar que ambas podem andar juntas sem conflito algum, pois como já mencionamos antes, nosso profeta disse que todas as Escrituras possuem um duplo sentido.

Lagarta, Locusta, Gafanhoto, Pulgão (06/12/1953) § 37 [Sem tradução]

Agora, esta profecia, é claro, como todas as outras profecias, possuem um significado composto. Uma profecia às vezes tem um significado natural. Então ela tem um significado espiritual.

Abraão e Sua Descendência Após Ele (23/04/1961) § 9

Eu me aproximo das Escrituras do ponto de vista de um tipo, e mais como um tipologista para tipificar o que foi, o que vai ser. Porque nós sabemos que as Escrituras, cada uma tem um significado composto.

A Rainha de Sabá (03/05/1953) § 15 [Sem tradução]

Todas as Escrituras possuem um significado composto; qualquer estudante sabe isso, por exemplo, em Mateus 3, quando Ele disse: "Para que se cumprisse 'Do Egito, chamei o Meu filho'." Se você for acompanhar a referência a isso, era o Seu filho, Israel, mas isso também pertencia a Seu Filho, Jesus. As Escrituras possuem um significado composto.

Portanto só o que fizemos aqui foi tentar comprovar esta afirmação aplicando-a na prática. E se todos os seus críticos soubessem dessa sua observação em particular, deveriam pensar pelo menos duas vezes antes de chamá-lo de um falso profeta, só porque em algumas ocasiões, adequou certas Escrituras para um entendimento que normalmente não seria aceito por determinados seminários teológicos, mas que certamente foi assim conduzido por uma divina inspiração.

O Remanescente Judeu Será Salvo Pelo Mistério da Sétima Trombeta

Então veja que todo o Israel poderia ser visto como virgens, ou seja, como pessoas justas, santas e boas, mas somente um remanescente é que poderá ser salvo por causa de sua predestinação. A partir do momento em que a cegueira destes for erradicada, o reino de Israel será estabelecido sobre a terra junto com a Noiva de Cristo no Milênio.

O Quinto Selo (22/03/1963) §§ 290-293

O reino judeu há de ser estabelecido na terra, (A maioria das denominações cristãs não ensinam isso) você sabe. João disse que o reino estava lá, veja, para ser estabelecido. Agora, este é o Reino do Evangelho, veja. Mas o reino dos judeus será pregado por estes-estes dois profetas, portanto note o-o-o reino da terra aqui. "O Reino dos Céus é pregado,"...pelos judeus, ou a... quero dizer, "aos gentios." O reino daqui, na terra, há de ser estabelecido no Milênio, depois, o Milênio para os judeus.

A Festa das Trombetas (19/07/1964) § 93

Por que eles não receberam isto? Por que os judeus não receberam isto? Eles eram homens justos; eles eram homens bons; eles eram homens santos, (eram virgens, mas eram néscios) e eles eram todo o tipo de pessoas. Mas para quem está predestinado a ouvir a Palavra (Aqueles que recebem o selo)... E como você sabe se é a Palavra? Cada um diz isto. É a promessa da Bíblia sendo vindicada para aquela era. Aí está você. Então você volta para onde o Espírito Santo está.

Então podemos entender que a mensagem dada aos 144 mil judeus por Moisés e Elias tirará os judeus do judaísmo e os levará para Cristo.

A Festa das Trombetas (19/07/1964) § 241

Veja, não será alguma organização que descerá lá embaixo e chamará os judeus, serão dois homens, Moisés e Elias, ambos profetas!

Embora o irmão Branham chegasse a dizer que esses profetas seriam os mesmos do Antigo Testamento, achou por bem aventar na possibilidade de que seriam na verdade outros homens que surgiriam apenas com a mesma unção e ministérios daqueles profetas do passado, como Eliseu que teve a unção de Elias sobre si.

Perguntas e Respostas Sobre os Selos (24/03/1963) § 148

Estou inclinado a crer que serão homens ungidos, com o espírito deles.

De qualquer maneira, eles levarão os judeus a crer no Evangelho de Cristo e não a praticar o judaísmo.

A Festa das Trombetas (19/07/1964) § 257

Recordem, a Noiva gentílica é para ter um profeta chamado Elias, que é para tirá-los de suas tradições (a Noiva), da mesma forma que estes profetas tiraram os judeus do judaísmo para Cristo, a Expiação. E os gentios já conhecem a Expiação.

Então neste caso quem seriam as virgens néscias? Os judeus que recusaram receber a mensagem do Moisés e do Elias e que persistirão com o seu judaísmo.

A Festa das Trombetas (19/07/1964) § 232

E ao mesmo tempo... Agora, logo que esta igreja, a Noiva é reunida, ela é levada; e aquele mistério do Sétimo Selo, ou o Sétimo Selo, o mistério acaba. E os judeus são chamados através do mistério da Sétima Trombeta, que são dois profetas, Elias e Moisés(Que na parábola das virgens tanto podem ser simbolizados pelo o que anuncia a vinda do noivo, como os vendedores de azeite) E eles voltam, e aí está onde os pentecostais fazem toda a confusão. Eles estão esperando pelo acontecimento de algo, e a Igreja já partiu, e isto é para os judeus.

Observe que o irmão Branham disse que os 144 mil - que conforme vimos também são virgens - serão chamados sob o mistério da Sétima Trombeta, o qual será o equivalente à mesma coisa que o mistério do Sétimo Selo foi para a igreja gentílica, onde os trovões lhes são revelados.

A Festa das Trombetas (19/07/1964) § 155

Observem agora, exatamente, a continuidade da Escritura, exatamente a mesma. Sob a Sétima Trombeta, é para Israel o mesmo que o Sétimo Selo foi para a Igreja.

Então isso significa que haverá da mesma maneira parte dos mistérios dos sete trovões pertinentes a Israel que hão de ser revelados pelo ministério de Moisés e Elias, a fim de conceder a eles também a sua fé e expiação, da mesma maneira que os trovões contidos nos Selos ajudam ao arrebatamento da Noiva.

O Clamor da Meia Noite

Ainda sobre a parábola das dez virgens, creio que você pôde se inteirar das duas possíveis conotações para essa parábola. Eu disse e repito: embora o irmão Branham se detivesse em apenas um sentido, ele não estava com isso anulando algum outro. Talvez se ele tivesse em mãos as traduções que dispomos hoje que mostra o "esposo e a esposa", ele poderia mais facilmente mostrar os dois sentidos, ou até mesmo teria optado pelo outro; porém isso não faz diferença para nós, porque nada do que ele falou acerca dessa parábola lhe compromete, biblicamente falando, mas pelo contrário, tudo estava em seu lugar e tinha o seu fundamento Escriturístico.

Levando em consideração a conotação que o irmão Branham deu para aquela parábola, ele mencionava que o clamor da meia noite também poderia ser chamado de o clamor da sétima vigília, que é o Alarido que desperta as virgens sábias, tipo da Noiva de Cristo, e essa sétima vigília também seria um tipo da sétima era da Igreja gentílica. Portanto esse clamor ou alarido é uma mensagem que seria pregada para selar aqueles que serão arrebatados e que pertencem à Noiva. O irmão Branham também chamava esse mesmo Alarido de "a Mensagem do Entardecer", e o Elias de Malaquias 4 seria o mensageiro do entardecer. Por conseguinte, a Mensagem para a Noiva gentia é a Mensagem do Entardecer, e o entardecer é quando o sol se põe no oeste.

Mas considerando a outra conotação para essa mesma parábola, lembramos que após o entardecer vem a noite, onde tudo escurece. Então, também poderíamos dizer que a mensagem do entardecer foi o Alarido para a Noiva gentia e, que, o alarido da meia noite, seria a mensagem entregue para o remanescente de Israel que será salvo. Então no entardecer vem o Elias para os gentios, mas quando a Noiva gentia é levada, é a vez do Elias para os judeus aparecer. Porém entenda que o irmão Branham também pregou para a Noiva gentia a mensagem da meia-noite. Claro que pregou!

"Mas, irmão Diógenes, agora você me deixou confuso. Afinal, a mensagem da meia-noite é para a noiva gentílica ou é para os judeus?". Para ambos, porque a mensagem do Elias dos judeus e a mensagem do Elias dos gentios é a mesma. Eles vão pregar a mesma coisa, porque embora sejam vasos diferentes para dispensações diferentes, será o mesmo Espírito Santo pregando e fazendo a obra, o Qual é o verdadeiro Elias. A mensagem, tanto para a Noiva como para as suas damas de honra será a mesma, porém em tempos diferentes. Então o Alarido do entardecer e o clamor da meia noite são o mesmo.

Porém é interessante recordar que na noite em que os filhos de Israel estavam no Egito pronto para partir, precisaram colocar antes um sinal-selo nos umbrais de suas portas, o qual era o sangue do cordeiro pascoal. E à meia noite, o anjo da morte passaria, e a casa que não estivesse preparada com tal sinal veria o seu primogênito morrer.

Êxodo 11:4-5

Disse mais Moisés: Assim o Senhor tem dito: À meia noite eu sairei pelo meio do Egito; e todo o primogênito na terra do Egito morrerá, desde o primogênito de Faraó, que haveria de assentar-se sobre o seu trono, até ao primogênito da serva que está detrás da mó, e todo o primogênito dos animais.

Êxodo 12:29

E aconteceu, à meia noite, que o Senhor feriu a todos os primogênitos na terra do Egito, desde o primogênito de Faraó, que se sentava em seu trono, até ao primogênito do cativo que estava no cárcere, e todos os primogênitos dos animais.

Portanto o povo de Israel que estava de prontidão à meia noite para deixar o Egito tão logo o Senhor surgiu para livrá-los da morte, poderia muito bem ser tipificado por aquelas cinco virgens sábias que estavam prontas para encontrar-se com o noivo quando o clamor da meia noite chegou. E assim deve todo o filho de Deus, seja judeu ou gentio, aprontar-se e manter-se firme observando e guardando a Palavra de Deus.

Salmo 119:57-63

O Senhor é a minha porção; eu disse que observaria as Tuas Palavras. Roguei deveras o Teu favor com todo o meu coração; tem piedade de mim, segundo a Tua Palavra. Considerei os meus caminhos, e voltei os meus pés para os Teus testemunhos. Apressei-me, e não me detive, a observar os Teus mandamentos. Bandos de ímpios me despojaram, mas eu não me esqueci da Tua lei. À meia noite me levantarei para Te louvar, pelos Teus justos juízos.

Então da mesma maneira como no Egito Israel teve um sinal para poupá-lo da morte, os 144 mil também receberão o seu a fim de serem salvos quando a ira do Senhor pisar sobre a terra. E quanto àquelas virgens que não estavam prontas quando o clamor da meia noite soou, o que levou a perder o seu encontro com o noivo, é um tipo dos judeus que sofrerão a morte e a perdição eterna quando o anjo da morte passar por Jerusalém, que espiritualmente será chamada de Sodoma e Egito.

O irmão Branham comparou aquele clamor da meia noite que aprontou os judeus para saírem do Egito com o mesmo clamor dado às virgens para irem de encontro ao noivo, mostrando-nos que o clamor da meia noite é exatamente o mesmo, tanto para o Israel natural quanto para a igreja espiritual, a Noiva gentia.

Pela Fé Moisés (20/07/1958) § 48 [Sem tradução]

Quando Israel se preparou à meia-noite, eles tinham tudo o que eles possuíam neste mundo, arrumado e pronto para ir. Deus, envie-nos um avivamento assim. Nós arrumaremos tudo e nos prepararemos para partir. O clamor da meia-noite é uma vinda: "Saí para encontrá-Lo". É melhor você ter tudo arrumado. É melhor você não ter nada deste mundo atraindo você de volta, qualquer corda para te segurar. Arrume-se; vamos nos aprontar; estamos partindo.

À meia noite, após o anjo da morte ter passado e poupado aqueles que tinham o sinal do sangue do cordeiro em suas portas, os filhos de Israel estavam prontos para deixar o Egito.

De qualquer maneira, tudo isso se aplica tanto para Israel quanto para a Noiva gentílica. Se William Branham tivesse a oportunidade de pregar para os judeus, ele entregaria a mesma mensagem que pregou aos gentios, porém isso seria feito fora de hora, porque William Branham era o Elias com uma Mensagem a ser dada para o povo onde o sol se põe, enquanto Israel fica onde o sol nasce. Mas você pode dizer que o nosso Elias, um profeta gentio, pregou para nós a mensagem da meia noite, e que é a mesma mensagem que será dada aos judeus, pois ambos os Elias pregarão a mesma coisa, e ordenarão para que o povo se afaste e repudie os sistemas do homem.

"Mas, irmão Diógenes, tem um profeta na África dizendo que só ele tem a mensagem da meia-noite. O que é isso?" Isso é um subterfúgio; isso é uma personificação e um laço para tentar enganar os incautos, porque a Noiva gentia não necessita mais de um outro profeta ou mensageiro; a fé de arrebatamento já está na Mensagem; tudo que ela precisa fazer é conservá-la consigo e preparar-se para a vinda do Cristo, mantendo-se sempre em alerta para não ser confundida.

Israel Nascerá Num Só Dia

O Espírito Santo revelou ao Seu profeta que Israel não receberá a sua salvação por intermédio de algum trabalho missionário de quem quer que seja, mas Israel será salvo em um só dia quando o próprio Cristo vier para socorrê-los.

A Marca da Besta (17/02/1961) § 32

Um dos irmãos lá do Tabernáculo, um irmão judeu, tem tentado entrar em Israel todo este tempo, tentando fazer algo pelos os judeus, (pregar o evangelho, pregar a mensagem para os judeus. Mas isso não é possível, pois Israel só será salvo como uma nação depois que o último gentio entrar ou nascer no Reino) para... Disse que ele queria ganhá-los para o Senhor. E ele veio ao Tabernáculo outra manhã, ele levantou quando a unção estava ocorrendo, ele disse: "Irmão Branham, gostaria de lhe fazer uma pergunta. Como poderei alguma vez entrar em Jerusalém? Tenho tentado de todos os modos." Eu disse: "Eu não saberia o que lhe dizer." Naquele instante o Espírito Santo Se moveu e disse: "Não é assim, porque ISRAEL NASCERÁ NUM SÓ DIA." (Isso aqui é a conversão nacional do povo judeu. Não é um judeu aqui, um ali. Não. É a conversão nacional do povo de Israel) Sempre. Oh, estamos próximos.

Para mais uma vez comprovar que o irmão Branham não concordava com a teologia da substituição, ele nos dirá que nós gentios somos salvos como indivíduos, mas Israel é salvo como nação.

O Cristo Identificado de Todas as Eras (01/04/1964) § 50 [Sem tradução]

Israel foi salvo como uma nação, mas você será salvo como um indivíduo.

Então, quando isso acontecer, quando a salvação vier para os judeus também, quando eles receberem a mensagem dos seus Moisés e Elias, então eles também serão reunidos juntos com a Noiva e todos juntos participaremos da ceia das bodas do Cordeiro. E no Milênio Israel O chamará de Filho de Davi.

Carta-Áudio Para o Irmão Lee Vayle (05/1964) § 23

Agora, e no Milênio, Ele será o Filho de Davi, Filho de Davi, porque Ele Se assentará no trono de Seu Pai, Davi. (...) Isto é o que Ele será no Milênio, o Filho de Davi. Não: "Tu Filho do homem" o que Ele reivindicou ser, "Tu Filho de Davi". Bem, isto é o que Ele será no Milênio para estes judeus, naturalmente.

E quanto àquela parábola que mencionamos onde fala da figueira estéril, ela não ficará estéril para sempre; ela finalmente frutificará, porque ela confessará Cristo; ela confessará Jesus como seu Senhor. Nós lemos aqui as palavras do irmão Branham no livro das Eras. E nós temos uma palavra, uma Escritura, que nos mostra isso. Isso pode ser apenas uma adaptação particular minha, mas serve como uma ilustração daquilo que encontraremos no Milênio.

Joel 2:22

Não temais, animais do campo, porque os pastos do deserto reverdecerão, porque o arvoredo dará o seu fruto, a figueira (Quem é a figueira? Israel) e a vide (Essa é a Noiva; os filhos do Reino; da eleição segundo a graça) produzirão com vigor.

Isto será no Milênio. A figueira e a videira produzirão e darão frutos juntos; eles frutificarão para o Senhor e juntos formarão uma só família, o povo de Deus. Aquela figueira outrora estéril, finalmente frutificará.

Isaías 27:6

Dias virão em que Jacó lançará raízes, florescerá e brotará Israel, e encherão de fruto o mundo.

Transcrição do áudio original: Ir. Carlos Rosa

Nota: A observação "[Sem tradução]" que colocamos ao lado de cada parágrafo, refere-se aos sermões do irmão Branham usados neste estudo, e que até o momento em que foi editado, ainda não havia sido encontrada nenhuma tradução para o português.

Parte 1

Parte 2