Jesus, Uma Parte de Deus Nº 2

03/08/2018

Jesus, Uma Parte de Deus - Nº 2

28 de setembro de 2014

São José-SC

Diógenes Dornelles

João 14:6-11, 20

Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por Mim. Se vós Me tivésseis conhecido, conheceríeis também a Meu Pai. Desde agora O conheceis e O tendes visto. Replicou-Lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, e isso nos basta. Disse-lhe Jesus: Filipe, há tanto tempo estou convosco, e não Me tens conhecido? Quem vê a Mim vê o Pai; como dizes tu: "Mostra-nos o Pai"? Não crês que EU ESTOU NO PAI E QUE O PAI ESTÁ EM MIM? As palavras que Eu vos digo não as digo por Mim mesmo; mas o Pai, que permanece em Mim, faz as Suas obras. Crede-Me que ESTOU NO PAI, E O PAI EM MIM; crede ao menos por causa das mesmas obras. (...) Naquele dia conhecereis que ESTOU EM MEU PAI, E VÓS EM MIM, E EU EM VÓS.

Pondo em Ordem a Mensagem de William Branham

Ontem nós abordamos vários temas, e o nosso objetivo, como foi colocado, era de tentar pôr em ordem algumas coisas que o irmão Branham ensinou. Ele falou sobre muitas coisas e muitas delas foram distorcidas. Muitas coisas foram misturadas e confundidas. Então, o nosso objetivo ontem foi de tentar pôr em ordem algumas coisas para que, quem sabe assim então, os irmãos pudessem entender exatamente o que o irmão Branham ensinava de acordo com a sua mensagem, não segundo o que os homens pensavam do que ele havia ensinado. Chega disso! Chega de pensar o que um homem pensou, o que um homem interpretou. Queremos saber o que o irmão Branham disse, porque é isso o que nos interessa! Ele é o mensageiro, não há outros mensageiros. Não precisamos nos apegar e pôr a nossa confiança no que um homem disse; nossa confiança está apenas na Palavra de Deus e cremos que William Branham, o Seu mensageiro, foi alguém que ecoou essa Palavra. E como eu já disse, ele nos deu uma mensagem que serviria como uma chave para interpretar as Escrituras, para compreender as Escrituras. E da mesma forma, como eu também disse ontem, a própria Bíblia também nos ajuda a compreender a mensagem, pois são duas coisas que estão sempre juntas. Enfim, eu não vou poder fazer uma síntese de tudo que foi falado ontem, porque foi muita coisa.

O Deus Eterno Manifestado em Três Ofícios

Nós tratamos sobre os ofícios, a maneira como o irmão Branham explicou sobre como que Deus Se manifesta com os Seus atributos, com os Seus ofícios, de acordo com a sua mensagem, a qual eu chamei de "a teologia de William Branham". É uma mensagem peculiar, única; ele tinha a sua própria teologia. A teologia de William Branham era bastante peculiar, pois sua linguagem não seguia uma linha exegética refinada como um teólogo acadêmico certamente apresentaria. De acordo com essa teologia, Deus Se manifesta em três, três ofícios, três atributos, e ele fala que Ele é um Deus eterno manifestando-Se nesses atributos. Então se Ele tem que ser um Deus eterno, esses atributos terão que ser tão eternos quanto Ele. Deus não pode ser perfeito em um; Deus não pode ser perfeito em dois; Deus tem que ser eternamente perfeito em três. Nós cremos nisso e descansamos nisso e testemunhamos disso. Ele disse que Deus é perfeito em três, então esses três ofícios são eternos.

Nós temos muitas teorias dentro dessa mensagem. E recentemente em um outro ministério em que eu estive, pouco antes de vir para cá, eu comentei sobre uma dessas teorias e mostramos que pela Mensagem e pela Bíblia isso não fazia sentido algum. Há uma teoria, por exemplo, que diz que um dia o Filho não irá mais existir porque seria apenas um ofício do qual Deus um dia deixará de fazer uso. Isso é muito estranho porque as próprias pessoas que forjaram essa teoria entram em conflito com eles mesmos, porque dentre eles, esses mesmos ministros dizem que os ofícios de Deus são eternos. Eles mesmos admitem isso. Então eles estão se confundindo, porque se eles dizem que os ofícios de Deus são eternos, como podem dizer que um dia o Filho vai deixar de existir se esse é um dos ofícios eternos de Deus?

Bom, mas isso é um problema deles. Nosso objetivo é saber o que o irmão Branham falou. Se você se apegar ao que o irmão Branham disse, você não vai ter confusão. Quando nós tentamos colocar algumas coisas em ordem, tudo fica mais claro. Quando aceitamos o que o irmão Branham disse não há necessidade de se inventar teorias. Nós simplesmente descansamos e confiamos no que ele falou. Não precisamos ficar buscando arrazoamentos.

Os Ofícios de Deus Se Manifestam em Dispensações de Tempo Diferentes

Nós vimos também alguma coisa sobre dispensações, um tema que o irmão Branham explorou; falou muito. E nós percebemos que o povo ficou um pouco confuso também quanto à maneira como o irmão Branham explicou as dispensações. No seu tempo ele não foi o único a falar sobre dispensação de ofícios; havia alguns teólogos que falaram sobre isso, mas o irmão Branham não pregava a teologia deles. Ele poderia tomar alguma coisa que algum teólogo disse, mas ele sempre iria buscar a direção de Deus para ver até que ponto aquilo poderia ser explorado. Então embora outros teólogos no seu tempo falassem na "dispensação do Espírito Santo", o irmão Branham poderia tomar emprestado esses termos, mas ele iria sempre apresentar aquilo da maneira como Deus lhe instruiu em Sua Palavra. Nós entendemos ontem que o irmão Branham explicava que Deus manifestava esses atributos nas suas próprias dispensações, ou usava um ofício de cada vez consoante a cada dispensação correspondente àqueles ofícios ou atributos. E esses atributos Deus manifesta um de cada vez. As denominações aí fora, tais como as unicistas, dizem que Deus pode usar vários ofícios ao mesmo tempo e o irmão Branham não ensinava exatamente assim. Embora todos os aqueles ofícios ou atributos estivessem latentes em Deus, o irmão Branham vai dizer para você que era um ofício de cada vez que era manifestado, ou seja, por dispensação. Primeiro foi a dispensação da Paternidade, depois a dispensação da Filiação e a dispensação atual que é a dispensação do Espírito Santo.

E ontem nós também conseguimos ver que de acordo com o ensino e a teologia de William Branham, a dispensação da filiação não começou na manjedoura, mas teve início quando Deus começou a Se fazer carne no Seu Filho lá no batismo do rio Jordão. Então você tem aí uma diferença. Se antes do Jordão Deus já estivesse usando o Seu ofício de "Filho", por que Ele precisaria Se encarnar novamente em Seu Filho no Jordão se Deus já estivesse Nele? Antes do Jordão existe um Filho, a Filiação, mas Aquele Filho só Se tornou Deus, Emanuel, "Deus conosco", quando Se tornou o Messias, ungido com o Espírito. Deus, o Pai do Seu Filho, Se encarnou e habitou depois corporalmente em plenitude naquele Filho. Doravante, ali você tem agora o quê? Deus usando o Seu ofício de "Filho" na Filiação, no corpo de Jesus Cristo Homem. Então, antes do Jordão, há um Filho, porém ainda não era Deus usando o Seu ofício de "Filho", porque Deus ali, ainda antes do Jordão, estava usando o Seu ofício de "Pai", visto que ainda estava em vigor a dispensação da Paternidade.

E como eu disse, alguns irmãos se confundiram com tudo isso, porque eles tentam dizer para você que ali já estava Deus também antes do batismo do Jordão no Seu ofício de "Filho". Todos os ofícios já se encontravam em Deus, obviamente. Porém alguns criam uma confusão entre eles mesmos e o irmão Branham não ensinou assim. Se você for pensar dessa maneira você vai criar uma confusão, pois como dissemos, se Deus já estava antes no Filho na forma de um ofício desde o Seu nascimento, qual seria a necessidade de Ele sair do Filho para Se fazer presente depois na forma de Espírito, como uma pomba, para descer e Se encarnar outra vez no Filho, se Ele já estivesse no Seu Filho antes disso? O irmão Branham não ensinava assim. É uma coisa de cada vez. É um ofício por dispensação. Enfim, então essa nossa maneira de expor a mensagem de William Branham, de forma coordenada, tornam as coisas mais claras e tudo mais que foi acrescentado e que não pertence à Mensagem vai se ruindo, vai se desfazendo, vai se soltando da Mensagem e ela vai se tornando exatamente como ela é, e esse é o nosso objetivo.

Pouco Se Fala Sobre o Filho Estar no Pai

João 14:20

Naquele dia conhecereis (entendereis) que ESTOU EM MEU PAI, E VÓS EM MIM, E EU EM VÓS.

Nosso estudo todo foi baseado e centralizado nessas declarações que Jesus fez. Antes disso, Ele disse: "Eu estou no Pai, e o Pai está em Mim". Nós entendemos que o que faz e o que torna Jesus Deus, o próprio Deus, a Pessoa de Deus, é o fato de o Pai estar Nele. Mas Ele não vai dizer apenas isso; Jesus também vai dizer: "Eu estou no Pai". E Ele disse: "Naquele dia você vai saber disso". O Filho sempre esteve no Pai, porém agora Ele disse que nós teríamos essa experiência, porque quando Ele disse "naquele dia", Ele estava Se referindo ao Pentecostes. Quando o Espírito Santo, ou antes Deus, na forma do Espírito Santo, adotou o ofício de "Espírito Santo", na dispensação do Espírito Santo, Ele Se derramaria sobre a Igreja e Jesus disse que quando isso acontecesse, você então entenderia que Ele estava no Pai. Então desde quando o Pentecostes aconteceu, você tem essa experiência. O Filho está conosco. Sim. O Filho está conosco, hoje, na forma do Espírito Santo. Portanto entender que o Filho está no Pai é tão primordial quanto entender que o Pai está no Filho. Muito se fala sobre o Pai estar no Filho, mas muito pouco se fala sobre o Filho estar no Pai. Mas entendendo muito bem essas duas coisas, ajudará você a ter um entendimento amplo e mais completo sobre a Deidade, da maneira como o irmão Branham nos ensinou.

Jesus Tinha Todo o Deus Nele

Nós tentamos ontem mostrar também pelas mensagens do irmão Branham de que ele ensinava que Jesus, o Cristo, não o ofício de Filho, mas Jesus, aquele Ser que Deus gerou, era uma parte de Deus, e por ser uma parte de Deus, Ele pode, então, refletir para nós tudo aquilo que Deus era, de tal forma que Ele disse aqui para o Seu discípulo Felipe: "Se você ver a Mim, você estará vendo o Pai", porque o Pai estava Nele, e isso só é possível porque o Filho é uma parte de Deus.

Atitude e Quem é Deus? (15/08/1950) §§ 16-17

No princípio era Deus. E então de Deus veio o Logos, uma parte de Deus que saiu de Deus... E ali... Agora, veja, este é apenas como uma criança brincando em frente à porta. Era o Filho de Deus, o Logos.

Agora, embora nós dizemos - porque foi o irmão Branham que disse - que o Filho era uma parte de Deus, por favor, isso não quer dizer que apenas uma parte de Deus estava no Filho. Não. Ali na Filiação, na dispensação da Filiação, quando Deus estava sem medida no corpo de carne de Seu Filho, você não tinha apenas uma parte de Deus ali, mas você tinha todo o Deus ali.

Porém entenda que mesmo antes de Jesus ter o Pai habitando Nele em plenitude Ele ainda assim continuava sendo o que Ele sempre foi e será: uma parte de Deus. Era por isso que o irmão Branham dizia muitas vezes que Jesus ao nascer era Jeová recém-nascido na manjedoura, Jeová brincando, Jeová chorando, e depois Jeová na cruz orando. E os unicistas da Mensagem interpretam erroneamente isso, dizendo que o irmão Branham estava ensinando que Deus orava para Si mesmo ou conversava Consigo mesmo, ou que Jesus já fosse Deus desde o Seu nascimento. Então embora o Filho seja uma parte de Deus, quando Seu Pai habitou Nele no Jordão não foi apenas uma parte de Deus que estava ali, mas todo o Deus em plenitude, como o próprio Jesus disse na ocasião: "O Pai está em Mim", o qual é uma coisa que nós entendemos.

Não há uma contradição entre os termos que o irmão Branham fala de Jesus ser uma parte de Deus e quando ele diz que a plenitude de Deus estava em Jesus. Nós entendemos isso. Mas quando ele disse que Jesus é uma parte de Deus é porque você somente pode conhecer Deus através do Seu Filho. E, como eu disse, embora Ele seja uma parte de Deus, todo o Deus estava Nele. O irmão Branham ensinava isso; ele mencionou isso em alguns de seus sermões.

O Bom Pastor de Ovelhas (08/03/1957) § 46

Jesus Cristo era o Filho de Deus. (Ele não está falando de um ofício; está falando do Ser que Deus gerou. Jesus Cristo era o Filho unigênito de Deus.) Ele tinha o Espírito sem medida. (Quando Deus habitou no Seu Filho no Jordão, doravante você tinha ali o Messias, Emanuel, "Deus conosco".) Você crê nisto? Nele nunca habitou apenas uma parte de Deus (Não. Quando Deus entrou ali no Jordão no corpo do Seu Filho não foi uma pequena parte ou porção de Deus que entrou Nele. Não.), porém todo o Deus estava em Seu Filho Jesus Cristo. Ele foi a plenitude da Divindade corporal (Fisicamente. Naquele corpo você tinha todo o Deus. Não uma parte, mas todo o Deus estava ali.) Tudo de Deus foi derramado em Cristo. E tudo o que Deus era estava em Cristo. E tudo o que Cristo é, Ele derramou sobre a Sua Igreja. (...) Como o Pai O enviou? O Pai O enviou. Foi com Ele e Nele.

Aqui o irmão Branham está dizendo que Deus enviou o Seu Filho, mas Ele não Se limitou a simplesmente enviar esse Filho; Ele mesmo veio. O irmão Branham fala que Deus enviou o Seu Filho e que Deus mesmo veio depois nesse Filho. Mas você sabe que para que Ele, Deus, viesse, Ele tinha que primeiro enviar o Filho, porque foi através desse Filho, que era uma parte Dele, que nós poderíamos conhecê-Lo e contemplá-Lo. Deus foi tentar fazer do Seu Filho Alguém com Quem Ele pudesse Se passar por um Parente Redentor, para Se aproximar de nós e reconciliar-nos com Ele mesmo. Foi no Seu Filho que Deus pôde fazer isso. Deus sempre faz tudo por meio do Seu Filho, mas é sempre Deus Quem faz toda obra. É Deus que faz todas as coisas, mas Deus sempre usou e sempre usará o Seu Filho. Deus criou todas as coisas por Cristo Jesus. Deus intermediou por Cristo Jesus. Deus aceita intercessão ou intermediação, por Cristo Jesus. Deus não faz nada se não for por esse Filho. É Ele que Deus sempre vai usar para Se manifestar, pois sendo o Seu Filho uma parte de Si quer tornar-Se por meio Dele conhecido, revelado para nós, e você não pode conhecer uma parte do Filho, porque foi através Dele que Deus Se revelou e Se manifestou. E tudo isso porque o Seu Filho é uma parte de Deus.

O irmão Branham vai dizer que Jesus é uma parte de Deus, mas porque Ele, o Seu Filho, é um Filho peculiar, Ele é o Filho unigênito de Deus. Nesse Filho, Deus pôs todos os Seus nomes redentores. Todos os nomes redentores de Deus estavam no Seu Filho.

Ele Jurou Por Si Mesmo (12/12/1954) § 153 [Sem tradução]

Olhe. Tudo o que Deus era na Coluna de Fogo, Ele esvaziou no Filho, Jesus Cristo. Nele habitou corporalmente a plenitude da Divindade. É isso mesmo? A Bíblia diz que Deus, o próprio Deus, o Senhor, o Poderoso, o Escudo, o Pastor, todos os Seus nomes redentores, tudo o que Ele era, Ele esvaziou em Jesus Cristo.

Então Jesus não é um Filho exatamente como nós somos, porque embora nós também sejamos filhos, Deus não pôs os Seus nomes redentores em nós. Ele só pode fazer isso no Seu Filho unigênito. Mas Ele só pôde fazer isso porque o Seu Filho era um reflexo de Deus, e porque o Filho compartilhava de toda a intrinsicalidade de Deus, da mesma essência, da mesma substância, da mesma natureza e do mesmo caráter de Deus. E por conta disso, Deus então pôde manifestar-Se em plenitude no Seu Filho, de forma que esse Filho fosse não uma parte de Deus, mas todo o Deus. Ele era uma parte de Deus, mas nesse Filho estava todo o Deus.

Por Que Tiveram Que Ser Pastores? (21/12/1964) § 171

Porém note quando o Grande Pastor (Ele está falando do Filho de Deus) esteve na presença da Shekiná. Que foi que fez? Ela mudou todo o Seu semblante. Ele não era apenas parte de Deus; Ele era todo de Deus. Ele era Emanuel.

Todos os Filhos São Parte de Deus

Agora, se nós também somos filhos de Deus, por conta de que Jesus por ser Filho era uma parte de Deus, então nós por sermos Seus filhos, também somos uma parte de Deus. Nós temos que ser. Se temos uma representação, se somos da eleição, se somos predestinados, temos que ser também uma parte de Deus como o Seu Filho era. Mas nós jamais seremos uma parte de Deus da maneira como o Seu Filho foi. E eu já lhes dei um exemplo aqui. Deus não colocou em nós os Seus nomes redentores, mas no Seu Filho Unigênito. Mas nós também somos uma parte de Deus e isso é um ensino do irmão Branham.

A Escritura na Parede (08/01/1956) § 6 [Sem tradução]

É por essa razão que o... o cristão nascido de novo nunca tem um fim, porque ele tem a Vida Eterna. (Você já tem a Vida Eterna se você é da eleição) E a Vida Eterna é parte da própria Vida de Deus, pois Deus é Eterno. E a mesma palavra, no grego a palavra Zoe é "A vida de Deus", quando Jesus falou e disse: "Eu lhes dou a Vida Eterna", esta mesma palavra é usada outra vez. Portanto, um homem que nasce de novo, seu espírito é mudado, e ele se torna parte de Deus, tanto que ele é um filho de Deus. E ele é simplesmente tão eterno como Deus é eterno, porque ele é parte de Deus, através de seu nascimento, nascimento espiritual.

Quando Jesus disse ali para nós "Naquele dia sabereis que Eu estou no Pai, Eu em vós e vós em Mim", como que isso é possível? Porque não apenas Ele, o Filho, é uma parte de Deus, mas porque nós também somos uma parte de Deus, e só porque você e eu somos uma parte de Deus, é que esse Filho disse: "Eu estou em vós e vós estais em Mim". Quando Jesus disse "Eu estou no Pai", Ele não disse "Eu estarei" ou "Eu estive", Ele sempre esteve no Pai. E é justamente também por ser uma parte de Deus, que o Seu Filho então pôde Se manifestar através do Espírito Santo hoje. Deus através da dispensação do Espírito Santo tem manifestado as mesmas obras que Deus fez através do Seu Filho quando Ele esteve aqui em carne humana. Quando Jesus esteve conosco, Ele disse em uma oração:

João 17:22

Eu transmiti para eles (para nós) a mesma glória que Tu Me deste, para que eles possam ser um da mesma forma como Tu e Eu somos um.

De acordo com as palavras de Jesus, nós podemos ser um com Deus da mesma forma que o Pai e o Filho eram um, e era nessa unidade que o irmão Branham cria e era dessa unidade que ele pregava. E tudo isso só é possível porque Ele disse que estaria em nós e nós Nele. E nessa dispensação nós teríamos esse entendimento, nós teríamos essa compreensão. Enfim, nós precisamos ter esse desejo de tentar compreender mais e mais sobre essa declaração que Jesus fez: "Eu estou no Pai", e é nas mensagens do irmão Branham que você vai ter um entendimento melhor. Você não vai encontrar um entendimento melhor ou mais aperfeiçoado nos livros de teologia e nos livros de seminários. Você não vai encontrar isso. Como eu disse, a chave para a compreensão das Escrituras está na mensagem de William Branham.

Os Três Títulos de Filho

No final do ministério do irmão Branham, um dos seus esforços foi de tentar esclarecer esses pontos que parecem que estavam mal compreendidos e parece que os próprios teólogos não estavam entendendo. O irmão Branham sempre acrescentava alguma coisa nova ao seu ensino da Deidade. Ele recebia progressivamente um entendimento maior e compartilhava isso com a Noiva, e assim ia acrescentando mais luz e mais entendimento, mas nada do que ele acrescentava, nada do que ele falava, qualquer coisa que ele dissesse a mais, alterava o que ele já havia dito no passado. Algumas coisas ele até poderia não ter mencionado mais, coisas que ele teria dito no passado e que talvez não tivesse mais mencionado, mas nada do que ele iria dizer futuramente, fosse para acrescentar ou trazer mais luz, mudava ou anulava aquilo que ele já havia falado. É por isso que nós temos aqui o costume de dizer que quando nós pregamos a Mensagem, procuramos pregar tudo o que ele disse. Não negligenciamos e nem rejeitamos nada do que ele falou. Ele sempre estava tentando mostrar para nós aquilo que a Bíblia dizia.

Ele disse: "Eu nunca precisei reajustar; nunca precisei corrigir nada". Lemos um parágrafo ontem, onde ele disse isso. Mas nós temos, infelizmente, nessa Mensagem, alguns irmãos que pensam assim, que William Branham corrigiu alguma coisa do que ele disse no passado sobre a Deidade e por causa de algumas declarações que ele vai fazer mais adiante, alguns não conseguiram entender e pensaram que fosse uma aparente contradição, e a maneira de tentar anular essas aparentes contradições é rejeitar o que ele disse no passado. Nós não fazemos isso. Nós procuramos uma harmonia com tudo o que ele falou.

Nas minhas pesquisas, eu observei uma coisa que poucos sabem. Trata-se de um ensino do irmão Branham, mas que era algo recente. No final do seu ministério o irmão Branham vai acrescentar mais um outro dado ao seu ensino sobre a Deidade. É um elemento novo que até então ele ainda não havia ensinado. É uma coisa simples que ele irá falar depois em diversas vezes nos seus sermões e que eu percebo que talvez muitos irmãos tenham passado por alto, no sentido de não entender a importância desse acréscimo que ele colocou no seu ensino sobre a Deidade.

No dia 19 de abril de 1964 ele vai pregar o sermão "O Julgamento". Acho que nós temos algum sermão traduzido com esse título, mas esse ainda não foi traduzido. Foi uma pena, porque nesse sermão ele vai abordar pela primeira vez uma coisa que depois ele vai falar várias vezes em outros. Entretanto nestes outros sermões ele só vai falar fragmentariamente. Somente neste sermão é que ele vai dar um quadro completo. Nos demais você só vai ter pequenos trechos, pequenas partes do que ele vai dizer neste primeiro sermão. Como aqui ele vai dizer pela primeira vez, ele vai ser um pouco demorado, ele vai falar de uma forma completa e ampla. Nos outros sermões, para você entender toda essa amplitude que ele expôs aqui, você terá que catar vários pedacinhos do que ele fala, em vários sermões espalhados. Mas esse ensino ele acrescentou já no final do seu ministério.

Aqui nessa mensagem ele vai, pela primeira vez, dizer que Deus Se manifestou com três títulos de "Filho". Todos vocês conhecem isso. Deus Se manifesta como "Filho do Homem", depois como "Filho de Deus" e depois como "Filho de Davi". Para quem é descuidado, pensa: "Mas, o irmão Branham sempre ensinou isso." Não, só aqui, a partir dessa data, que ele começou a pregar sobre isso pela primeira vez, e tudo isso tem uma razão e objetivo. Havia algumas coisas que ele havia falado anteriormente e que talvez o povo não havia compreendido o que ele estava dizendo. Então aquilo que ele pudesse acrescentar para poder esclarecer as suas próprias declarações, ele fazia. E, como eu disse, parece que alguns não estavam conseguindo entender o que ele quis dizer com tudo isso.

Então como nós não temos esse sermão traduzido, eu vou utilizar aqui um outro sermão onde ele mencionou isso e que foi traduzido para o português, até para poder ajudar você a fazer consultas se quiser.

O Desvelar de Deus (14/06/1964) §§ 60, 65, 70

Ele veio em três nomes (Ele quem? Deus. Deus veio em três nomes), três NOMES de filho. Ele veio no Filho... no nome de Filho de - do homem, o Filho de Davi e o Filho de Deus; três nomes de filho. (...) Agora, observe agora que quando Ele veio, Ele teve de vir como Filho do homem (Você sabe que o Filho do Homem é um ministério profético. Quando que Jesus começou a exercer o Seu ministério profético? Quando Ele Se tornou o Messias, o Ungido. Por quê? Porque ali você tem Deus mesmo, o Filho do Homem ali, encarnado naquele corpo. Mas era Deus vindo nesse título. Esse título de "Filho do Homem" era uma espécie de ofício, mas que nós podemos chamar de ministério, um ministério que Deus estava exercendo), porque a Santa Escritura disse que Ele viria: "Deus levantaria um Profeta a eles". (Veja, o Filho do Homem, é um ministério profético) Então Ele não poderia vir chamando a Si mesmo de Filho de Deus, porque não era aquela dispensação...

Veja que o irmão Branham separava as coisas por dispensação para você compreender melhor. Ele vai dizer que esses ministérios, esses três títulos de Filho, "Filho do Homem", "Filho de Deus" e "Filho de Davi", também seria manifestado na forma de dispensações, ou seja, em tempos diferentes. No tempo em que Deus estava no corpo de carne do Seu Filho, o título de Filho que Ele usou ali foi o de "Filho do Homem", porque Ele estaria usando o Seu Filho para profetizar. Porém, Deus não estava ali Se manifestando com o título de "Filho de Deus" porque essa ainda não era a ocasião. O profeta vai dizer para você que Deus vai fazer uso desse título de "Filho de Deus" - que é o segundo título do nome de Filho - na dispensação do "Espírito Santo", que é essa dispensação atual. Esse é o ensino do irmão Branham. Nessa dispensação atual, Deus está agora usando esse segundo nome de Filho que é "Filho de Deus". É um ministério que Deus está exercendo dentro dessa dispensação do Espírito Santo. Mas, entenda que nessa dispensação, Deus está usando apenas um único ofício que é o de Espírito Santo, mas esse Espírito Santo está exercendo esse ministério de Filho, "Filho de Deus".

Ele era o filho do homem profetizando, para cumprir e revelar para eles todas as coisas que haviam sido feitas, e que tipificavam o que Ele era. Então Ele estava na terra como Filho do homem. (...) Agora, no Milênio, Ele será o Filho de Davi, assentado sobre o Trono do Seu pai, Davi. Ele é o Filho de Davi, agora.

Então veja que o irmão Branham ensinava que Deus Se manifesta nesses três nomes de Filhos. E você também vai ver, em outros sermões, que ele vai dizer que entre o intervalo entre a manifestação do "Filho de Deus" e antes que Ele venha como "Filho de Davi", Ele vai Se manifestar novamente como "Filho do Homem", que é o ministério profético no entremeio. É o ministério no qual Deus iria Se manifestar através do cumprimento de Malaquias 4 quando Ele enviar o Seu mensageiro para exercer esse ministério.

Hoje o Espírito Santo Está Aqui Como "Filho de Deus"

Mas esse entremeio atualmente já foi concluído, pois Deus esteve entre nós como "Filho do homem" enquanto o Seu profeta esteve entre nós. Tão logo o irmão Branham foi tirado de cena, Deus concluiu esse entremeio e voltou a Se manifestar outra vez como "Filho de Deus".

Quem é Este Melquisedeque? Nº. 16 (08/10/1988) § 29 - Lee Vayle

Eu creio que o período do Filho do homem está completamente concluído, que foi completamente vindicado, e que você está de volta agora ao Filho de Deus, que é o Espírito Santo conduzindo uma Noiva, porque o irmão Branham disse: "A Coluna de Fogo está aqui para levar uma Noiva para o Milênio".

Então veja que esses títulos de Filhos são um ministério; ele chamava de ofícios, mas é isso, um ministério. Então esse era um ensino que o irmão Branham estava acrescentando.

Agora veja, nenhum seminário teológico ensina isso. Esse é um ensino peculiar e único de William Branham e ninguém mais ensina assim. Então você vai ver que o irmão Branham, embora estivesse acrescentando essa informação que até então ainda não havia sido pregado, não criou absolutamente nenhum conflito com o que ele havia dito anteriormente, e isso é o que nós sempre temos dito. Ele podia acrescentar algum dado importante, alguma informação nova, mas nada disso alterava aquilo que ele já havia nos ensinado e instruído.

Agora, essa informação que o irmão Branham aqui está nos dando, para mim - talvez para alguns não tenha sido - mas para mim é uma informação valiosíssima, porque na verdade, o que o irmão Branham fez ao nos explicar isso, nos dá até um entendimento maior para o que Jesus disse: "Naquele dia sabereis que Eu estou no Pai". E quando Ele disse "Naquele dia", estava Se referindo à dispensação atual do Espírito Santo. Ele disse: "Naquele dia você saberá disso, que Eu, o Filho, estou no Pai." Então nós estamos aqui tentando caminhar progressivamente para chegar a esse entendimento, porque foi para isso que o irmão Branham viria, para fazer você entender essas coisas.

O irmão Branham na mensagem "Casamento e Divórcio" irá nos dizer que aquela Coluna de Fogo que está ali naquela foto [O ir. Diógenes aponta para o quadro - Ed.] era o próprio ministério do Cristo. Ele vai dizer que ali naquela Coluna de Fogo era o próprio Cristo, o Filho de Deus, no ofício ou na forma do Espírito Santo. Jesus disse: "Eu vou para o Pai", e o irmão Branham dizia que o Filho havia voltado para a Coluna de Fogo. "Vim de Deus e volto para Deus", e Jesus também disse: "Eu estou no Pai". Então se o Pai estava na Coluna de Fogo, o Filho também deveria estar ali, pois o que o Homem Jesus disse foi: "Onde Meu Pai estiver, Eu Jesus Cristo Homem, estarei ali porque Eu estou no Meu Pai".

Essa era a maneira do irmão Branham ensinar, e isso porque o que ele estava dizendo é que Deus agora, no oficio de "Espírito Santo", e na forma do Espírito Santo, estaria Se manifestando com esse segundo nome, o segundo título de "Filho de Deus".

Então antes de isso acontecer, quando Deus ainda estava na carne humana de Seu Filho, Deus estava usando Jesus como uma máscara e, agora, Deus está velado através da Coluna de Fogo ou de uma outra maneira que Ele queira Se manifestar, mas Ele está conosco e exercendo esse ministério para fazer as mesmas obras que Ele fez quando esteve no Seu Filho. O irmão Branham disse que quanto aos sinais, prodígios e curas que aconteciam no seu ministério, aquilo na verdade era uma demonstração de Deus para provar que o Seu Filho Jesus Cristo estava ressuscitado e que vivia entre nós, em nosso meio. Os próprios milagres que Deus estava mostrando no ministério de William Branham era para provar que Jesus Cristo estava vivo, o Homem Cristo Jesus, estava vivo e estava habitando em nosso meio. Então você vai entender que se Deus está aqui na forma do Espírito Santo e usando esse ministério ou esse segundo nome, esse título de "Filho de Deus", Ele tem que fazer isso com algum objetivo. Há uma intenção para isso.

O desejo de Deus é que nós tenhamos esse entendimento e que possamos ter esse mesmo Espírito em nós, para que Ele também possa fazer através de nós essas mesmas obras. Porém, isso somente pode acontecer se nós tivermos esse Espírito em nós e, conforme disse o irmão Branham, isso só acontece se você experimentar o novo nascimento. Somente com o novo nascimento é que você vai ter esse Espírito de Cristo em você, e quando você tem esse Espírito de Cristo em você e o novo nascimento, então você vai ter essa experiência que Ele disse: "Eu estou em vós e vós em Mim, e vós sabereis que Eu também estou no Pai", porque nós estaremos vendo em nossas próprias vidas o próprio Filho atuando em nós na forma do Espírito Santo.

Como o Filho e o Espírito Santo Estão Aqui Hoje?

O irmão Branham tentava da sua maneira e de acordo com a sua própria linguagem, nos explicar algumas coisas que alguns não estavam entendendo. E ele usou uma maneira própria sua para tentar nos explicar como que tudo isto é possível. Porque você entende que o Filho agora, com Seu corpo glorificado, está lá no Céu assentado no trono do Pai, enquanto que aqui o que você tem é Quem? O Espírito Santo, que é Deus, o Pai Daquele Filho. E como que é possível isso? Como que é possível o Filho estar aqui? Porque Ele disse: "Naquele dia sabereis que Eu estou no Pai." Então, vamos lá. Se o Pai, que é o Espírito Santo, está aqui, então o Filho está aqui. Mas como que é possível o Filho estar lá no Céu no Seu corpo e ao mesmo tempo estar aqui na forma do Espírito?

Isso são coisas que as pessoas não conseguem entender e cada estudante de teologia tentou encontrar a sua própria maneira. O trinitário encontrou o seu jeito. O unicista encontrou a sua própria forma, mas o irmão Branham tinha a sua maneira, e, infelizmente, as pessoas confundiram a maneira do irmão Branham explicar isso com a maneira unicista, e não é. O irmão Branham vai usar uma linguagem que é só dele. E ontem eu lembro que eu disse que se você quer ser um crente dessa mensagem, você não apenas vai ter que crer na mensagem, mas você vai ter que usar a mesma linguagem que ele usou. E a linguagem que ele usou para tratar disso é a que eu prefiro usar, e eu acho que é a que todos nós devemos usar.

O irmão Branham tentou nos explicar sobre isso, de o Filho estar lá e ao mesmo tempo estar aqui. Como é que ele explicou? Ele disse simplesmente isso: que Deus pegou o Seu Filho e O "partiu em dois pedaços", e um pedaço, uma metade, Ele colocou lá no trono, e a outra metade Ele nos devolveu na forma de Espírito Santo. Foi bem assim. Nada exegético; essa linguagem é bem rústica e grosseira, mas essa é a linguagem de William Branham.

O Poderoso Deus Desvelado Perante s (29/06/1964) § 6

Quando Deus rasgou o Seu Filho em dois no Calvário, tomou o corpo para sacrifício, e enviou o Espírito para nós, que uma vez viveu num homem, Jesus (esse mesmo Deus está em véu hoje à noite na forma do Espírito Santo), esses dois pedaços têm que condizer.

A Fé de Abraão (15/04/1959) § 67 [Sem tradução]

Ele levou Cristo ao Calvário. E lá no Calvário, quando a terra escureceu novamente, o relâmpago brilhou e os trovões rugiram, Deus tomou o corpo de Cristo e despedaçou-O (A Aliança, a semente de Abraão, o grande Filho de Abraão), e rasgou-O em pedaços, tirou o Espírito Dele, e levou-O embora, enviou o Espírito ao inferno carregando nossos pecados. [Espaço em branco na fita - Ed.] ...corpo no terceiro dia, levantou-o e colocou-o à direita de Deus e enviou a outra parte da aliança, o Espírito Santo que estava em Cristo, na igreja. Aleluia. É isso aí. Esse mesmo Espírito que está em Cristo tem que estar em Sua igreja. O mesmo Espírito Santo que habitou em Cristo habita em nós. E quando o arrebatamento vier, as duas partes devem se unir e ser a mesma igreja pela qual Cristo morreu.

E eu vou lhe dizer uma coisa: essa é a melhor linguagem que ele poderia ter usado e é dessa maneira que você tem que crer, e é dessa maneira que você tem que confessar. Deus devolveu o Seu Filho a nós na forma do Espírito Santo. O Seu corpo está lá, uma metade está lá, e a outra metade está aqui, na forma do Espírito Santo.

Agora, vamos lá. Os teóricos unicistas não entenderam isso. O irmão Branham falou o suficiente disso mas eles tentam explicar que o que o irmão Branham estaria dizendo é que isso provaria a onipresença do Filho como sendo o próprio Deus, sendo que Deus está lá, ou o Filho está lá na forma de um corpo, e ao mesmo tempo está aqui na forma de Espírito. Isso é uma contradição deles mesmos, porque eles mesmos concordam com o irmão Branham com o que ele disse no Sermão "Os Dons Encontram os Seus Lugares", de que aquele corpo não era a Deidade, mas que a Deidade estava no corpo.

Os Dons de Deus Sempre Encontram os Seus Lugares (22/12/1963) § 93

O Homem (o corpo) não era a Deidade, mas a Deidade estava no corpo.

Então mesmo aquele corpo estando lá agora em uma forma glorificada e assentado no trono do Pai como um memorial, ainda continua não sendo a Deidade; aquele corpo é o Filho da Deidade. Então como que eles querem provar a onipresença do Filho, como sendo Deus lá na forma de corpo e ao mesmo tempo aqui na forma de Espírito, se eles mesmos concordam com o profeta de que aquele corpo que está lá agora não é a Deidade? É uma contradição unicista, e eles não entenderam o que o irmão Branham disse.

O Espírito Santo Receberá o Que é do Filho

É por essa razão que você precisa entender que essa é a linguagem que ele usou para nos fazer compreender as Escrituras. E esta linguagem que ele usou, ajuda-nos a compreender o que você vai ler lá no livro de João capítulo 16. É uma palavra que Jesus nos disse ali. Jesus nos disse o seguinte, ao nos prometer a vinda do Consolador, do Espírito Santo:

João 16:13

Quando vier, porém, o Espírito da verdade, Ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por Si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará as coisas que hão de vir.

Quando o Espírito Santo estivesse aqui, Ele iria profetizar, Ele iria anunciar as coisas que iriam acontecer no porvir. Bom, e Deus usa profetas para fazer isso, e nessa última era Deus usou um profeta, não usou? Sim, Ele usou. Ele fez várias profecias; falou sobre o terremoto de Los Angeles, sobre várias situações que iriam acontecer, enfim. Isso que Jesus disse estava de certa forma se cumprindo também no ministério de William Branham. Mas veja que Ele disse que o Espírito Santo falará o que tiver ouvido do Filho.

João 16:14-15

Ele (esse Espírito de verdade, o Espírito Santo) Me glorificará, porque há de receber do que é Meu e vo-lo há de anunciar. Tudo quanto o Pai tem é Meu; por isso é que vos disse que há de receber do que é Meu e vo-lo há de anunciar.

O que o Senhor Jesus está nos dizendo aqui é que o Espírito Santo iria comunicar a nós tudo o que estava na mente e no coração do Filho. Agora, quando Jesus disse que esse Espírito iria receber daquilo que era do Filho e transmiti-lo a nós, você precisa entender melhor o que Ele estava dizendo com isso. Essa palavra "receber" que Jesus usou aqui, no grego é a palavra "lambano", e o significado para esta palavra dentro do seu contexto seria "pegar algo que pertence a outro e levar"; "tomar algo que é de outro para si próprio"; significa "reivindicar para si mesmo"; significa "pegar para si mesmo", "agarrar", "tomar posse", "apropriar-se para si de uma coisa que é de outro e usar isso como se fosse dele mesmo". E é por isso que Jesus disse que tudo o que era do Pai era Dele também e tudo o que é do Filho é do Pai. E assim, o Pai pode usar as coisas do Filho e o Filho pode usar as coisas do Pai.

Então o que Jesus aqui está dizendo é que quando esse Espírito viesse, Ele iria Se apropriar das coisas do Filho e as usaria como se fosse Dele mesmo. Ele não apenas usaria o nome do Filho, mas Se identificaria como sendo o próprio Filho, e foi por isso que o irmão Branham disse que agora Deus está aqui na forma do Espírito Santo usando o título de "Filho de Deus", porque esse Espírito está Se apropriando do Filho e usando a Sua mesma identidade para comunicar e transmitir a você tudo aquilo que estava na mente e no coração deste Filho, pois como disse Jesus, "o Espírito não falará por Si mesmo". Então o Espírito Santo não somente ouviria algo da parte do Filho para depois nos transmitir, mas ao ouvirmos a esse Espírito, seria como se ouvíssemos ao próprio Filho, pois o Espírito Santo falará por este Filho a nós. É por essa razão que Jesus disse que quando aquele dia viesse, que é a dispensação atual do Espírito Santo, nós saberíamos que o Filho estaria no Pai, pois embora o Espírito do Pai esteja entre nós, é também com o próprio Filho com Quem temos mantido comunhão, e tudo isso só é possível porque Jesus é uma parte de Deus.

Hoje você consegue ter o Filho em você de que maneira? Através do Espírito Santo. Através do Espírito Santo apropriando-Se daquilo que é do Filho e transmitindo para nós aquilo que é do Filho, você não consegue sentir aquela ausência; você não sente tão forte a ausência física do Filho, porque de alguma forma Ele está aqui. Através do Espírito Santo, Ele está criando um canal para aproximar-Se de Sua Noiva e, lógico, não poderia ter sido melhor do que o próprio Espírito Santo estar aqui nos transmitindo a mente e o caráter de Cristo, porque essa mente e esse caráter de Cristo foi outorgado ao Filho pelo próprio Pai. Então nada mais justo do que o próprio Pai, que deu este caráter ao Seu Filho, estar aqui para imprimir em nós as mesmas marcas deste caráter, para que assim o Pai que está agora conosco, na forma do Espírito Santo, e usando essa identidade de "Filho", possa dar a nós o mesmo caráter do Filho, de forma que hoje, nós, a Igreja, a Noiva, possamos ser tão obedientes ao Pai como o Seu Filho foi; possamos ser tão submissos a Deus como o Seu Filho foi. Por quê? Porque o próprio Deus está aqui identificando-Se como Seu Filho e transmitindo e ensinando para nós as coisas do Filho, apropriando-Se como se Ele fosse o próprio Filho. Há ocasiões em que Deus fala conosco como se fosse o Filho, ou, em outras palavras, Deus mesmo fala conosco e é o Filho conversando conosco através do Espírito de Seu Pai. Jesus, o Filho de Deus, fala conosco através do Espírito Santo.

Agora, tudo isso só é possível porque o Filho é uma parte de Deus, e Ele só podia dizer "Eu estou no Pai"por causa disso, porque Ele é uma parte de Deus, e se você é uma parte de Deus então você vai poder ter essas marcas, esse caráter, essa índole, essas características que o Filho possui. E eu vou voltar a repetir o que eu já disse, de que tudo isso só vai acontecer se você tiver o novo nascimento, porque isso tudo é um processo que só ocorre mediante o Espírito Santo, e você tem que nascer do Espírito Santo para poder ter toda essa transferência do Cristo, do Filho de Deus, para você. O Filho está lá, fazendo intercessões, mas Ele disse: "Eu estou no Pai", então se o Pai está aqui na forma do Espírito Santo, esse Filho está aqui transmitindo e transferindo para você tudo aquilo que é Dele, tudo aquilo que pertence a Ele.

Quando Jesus diz "Vós estais em Mim", o que Ele quer dizer com isso é: "Naquele dia vocês serão como Eu". Nossas vidas estarão escondidas Nele. Quando o Pai olhar para nós, o que Ele verá será Cristo, porque somos uma parte de Deus, assim como o próprio Filho também é.

Mas veja que é Deus mesmo que está aqui e Ele está usando uma identidade. Ele não está apenas usando um nome e título de "Filho", Deus está usando a própria identidade do Seu Filho, porque é dessa maneira que você pode ter o Filho, o Homem Jesus Cristo andando em nosso meio agora. É Deus que está fazendo a Sua obra. Esse é o ministério de Deus, mas Ele está usando essa identidade do Filho.

O Espírito Santo Está Desempenhando o Drama do Filho

Então o que o irmão Branham nos mostra é que o Filho está aqui na forma do Espírito Santo, e isso significa que Deus continuará, mesmo agora na forma do Espírito Santo, com o Seu drama, com o Seu papel de representar o Filho, identificando-Se como Filho para transmitir a nós tudo aquilo que pertence ao Filho, apropriando-Se do Filho ou das coisas do Filho, identificando-Se como se fosse o próprio Filho. Antes em Sua carne o Filho refletia Deus, mas agora Deus na forma do Espírito Santo está aqui nos refletindo o Filho. É isso tudo que o irmão Branham estava nos dizendo a respeito disso. Por isso que eu digo que isso é tão valioso, essa informação que o irmão Branham está dando é tão valiosa para nós.

Agora, você tem um exemplo da Bíblia. Um exemplo prático de como que foi isso tudo; de como que Deus está aqui na dispensação do Espírito Santo, Deus na forma do Espírito Santo, usando a identidade do Seu Filho, usando esse segundo nome de Filho chamado "Filho de Deus". Você tem um exemplo prático disso quando Paulo no caminho para Damasco estava perseguindo os cristãos que lá estavam reunidos. Você sabe que a Coluna de Fogo apareceu para Paulo e disse: "Saulo, Saulo, por que tu Me persegues?" E Paulo perguntou: "Quem és Tu?" E como que Ele Se identificou? "Eu sou Jesus, a Quem tu persegues." Quem é que estava falando ali? Deus! Era Deus Quem estava falando, mas nessa dispensação Ele está aqui como "Filho de Deus", e Ele não está apenas usando um título, Ele Se identifica como Filho.

Observe que Paulo não estava perseguindo a Deus; ele estava perseguindo a Jesus de Nazaré, porque ele achava que era um falso profeta; ele pensava que Jesus era um falso, um fazedor de milagres falsos. Era esse homem Jesus Cristo, o Galileu, que Paulo estava perseguindo; mas ali Deus Se identifica como sendo o Seu Filho e disse: "Olha, esse homem galileu que você está perseguindo... Eu sou Ele! É a Mim que você está perseguindo." Veja que quando Deus Se identifica com o Seu Filho, Ele não Se identifica apenas com o Seu caráter para transmitir o caráter do Filho para nós. Não! Tudo o que pertencia ao Filho, até mesmo o opróbio e a ignomínia que o Filho sofria e toda aquela perseguição, o Pai também Se apropriava para Si como Se fosse Dele, porque isso é o que Jesus disse. "Ele vai tomar das coisas que são Minhas", e é isso que vemos. E foi isso que Deus fez. Porém lembre-se mais uma vez que o Espírito não falou a Paulo por Si mesmo, mas disse o que ouviu do Filho, e tudo isso porque o Espírito Santo está desempenhando para nós o drama do Seu Filho.

Então veja que essa linguagem do irmão Branham de dizer que Deus repartiu o Seu Filho e deu... colocou uma parte lá no Céu, o Seu corpo, e outra parte nos devolveu aqui, não é uma linguagem exegética ou teológica, mas essa é a sua teologia e esse é o ensino do irmão Branham. Deus em Espírito está representando hoje, atualmente, esse drama, o drama do Filho, representando o papel do Filho para nós, para criar esse canal e esse vínculo entre a Noiva e o Filho durante a ausência física do Filho de Deus.

O Desvelar de Deus (14/06/1964) § 71

Filho do homem, Filho de Deus, Filho de Davi. O que foi isto? É o mesmo Deus o tempo todo, apenas mudando a Sua forma (Veja, é Deus usando esses títulos de "Filho". É o mesmo Deus o tempo todo), en morphe. Ele apenas muda isto. É um grande drama para Ele. Ele o está representando.

Então o irmão Branham com tudo isso vai dizer para você que Deus está aqui manifestando ou interpretando esse drama; Ele está fazendo uso desse drama, do papel do Filho, e com isso ele nos diz que o próprio Homem Cristo Jesus está aqui em nosso meio, na forma do Espírito Santo.

A Acusação (7/07/1963) § 364

Senhor, eu imagino o que me encontrará no Dia do Julgamento se eu dirigir mal esta gente. Eu estou consciente, Senhor, tão consciente que eu posso sentir. Que, eu estou tratando de levá-los à Palavra, (Ou seja, levar o povo de Deus à Palavra, voltar a crer na Bíblia, a entender o que a Bíblia diz) e permitir-lhes viver pela Palavra, (Crer na Palavra, confessar a Palavra e viver a Palavra) dizendo-lhes que Tu és "o mesmo ontem, hoje e eternamente, que O GRANDE ESPÍRITO SANTO É JESUS CRISTO, absolutamente NA FORMA do Espírito Santo, O MESMO HOMEM."

O Homem Jesus Cristo está aqui na forma do Espírito Santo. Tudo isso confundiu os nossos amados irmãos da Mensagem, porque eles pegam isso aqui para dizer que o Filho do Homem é Jesus Cristo e que Jesus Cristo é o próprio Deus e o Espírito Santo é o Filho de Deus. Eles trouxeram o sabelianismo para dentro da Mensagem. O que o irmão Branham está dizendo é que esse Espírito Santo está fazendo essa obra de tentar fazer você ter uma comunicação com o Filho. E esse Espírito Santo está aqui interpretando o Seu drama, o papel do Filho de Deus. Então você tem o próprio Homem Cristo Jesus, mas o Filho Jesus Cristo, na verdade, não está aqui, porque o irmão Branham nunca se confundiu no seu ensino. Ele vai dizer que o Espírito Santo é o Pai de Jesus; ele não vai dizer que o Espírito Santo é esse Filho, mas Ele está aqui usando esse ministério, Ele está utilizando esse ofício, ele chamava de ofício porque Deus está aqui utilizando esse nome de "Filho" para identificar-Se com o Filho e para que você tivesse essa comunhão com o próprio Filho. Então se você tem o Pai aqui com você, você tem que ter o Filho, porque Ele disse: "Naquele dia sabereis que Eu estou no Pai, e Eu em vós e vós em Mim."

Tirando as Palavras do Irmão Branham do Seu Contexto

E, como eu disse, alguns irmãos não conseguiram entender isso, e eu vejo até alguns ministros tentando pegar alguns sermões do irmão Branham e tirando algo do seu contexto, como vi um ministro que escreveu as palavras do irmão Branham numa rede social. Esse ministro usou uma palavra do irmão Branham do sermão "Hoje Se Cumpriu Esta Escritura", do parágrafo 45. Ele usou aquelas palavras do irmão Branham para tentar convencer a você de que o irmão Branham ensinava que Deus era o próprio Filho, ou que o Espírito Santo era o próprio Filho, porque é esse entendimento unicista que eles possuem. Eles não entenderam a Mensagem; não entenderam a teologia de William Branham. Esse ministro destacou as palavras do profeta, exatamente como estão aqui:

Hoje Se Cumpriu Esta Escritura (25/01/1965) § 45

Agora, hoje Ele é o Filho de Deus (O irmão Branham está dizendo que Deus hoje é o Filho de Deus. Então eles usam isso para dizer: "Vejam, Deus é o próprio Filho. O Filho é o próprio Deus.")o que, Ele REGRESSOU, e agora Ele está NA FORMA DO ESPÍRITO SANTO ("Bom, então o Espírito é o próprio Filho", dizem. Você está entendendo o que eles estão querendo dizer com isso?), a Pessoa que não se vê; contudo, Deus, O FILHO DE DEUS...

O ministro usou isso aqui para tentar fazer o irmão Branham pregar unicismo. Porém quando eu fui até o sermão que ele citou, vi que esse ministro fez questão de tirar algumas palavras iniciais do irmão Branham de fora, porque o parágrafo que ele citou não começa assim. Vou ler para você como é que o parágrafo começa. O irmão Branham fala algumas coisas que esse ministro teve que remover para fazer você entender outra coisa. O parágrafo começa assim:

Veja, Ele veio em três nomes...

Então quando o irmão Branham diz: "Hoje Ele é o Filho de Deus", está se referindo ao título; Deus está Se identificando com esse título, com esse ministério de "Filho". Então aquele ministro tomou essas palavras do irmão Branham para sustentar um unicismo: "Deus é o próprio Filho", quando o irmão Branham estava apenas dizendo: "Deus veio em três nomes." A prova de que o irmão Branham está tratando disso é o que ele irá dizer a seguir, e que o ministro unicista fez igualmente questão de não mencionar, porque logo em seguida o irmão Branham dirá o seguinte:

No Milênio Ele será o Filho de Davi.

Esse é o terceiro nome do qual Deus fará uso. É tão sutil, mas é assim que eles fazem. Eles nos acusam de tirar as palavras do irmão Branham do seu contexto, mas nós já temos provado que são os unicistas da Mensagem que vem fazendo isso. Porém eu não creio que eles o fazem com a intenção de enganar. Eles leem para o seu público dessa forma porque eles estão enganados e confusos; eles só podem transmitir aquilo que eles entenderam. Mas veja, como eu disse no princípio, nós não estamos aqui para falar do que os outros entenderam. Estamos aqui para falar daquilo que o irmão Branham nos passou, porque é isso o que o importa; é isso o que interessa para nós.

Então você já está entendendo que nessa dispensação do Espírito Santo, Deus está Se identificando ou usando a própria identidade do Seu Filho. E em outros sermões, o irmão Branham vai falar sobre isso. No Livro das Eras da Igreja, na página 62, ele vai explicar isso novamente. É uma passagem que alguns estão usando e que não conseguiram entender. Nós entendemos que o Filho do Homem está aqui na forma do Espírito Santo, e nós só podemos ver isso porque o irmão Branham nos ensinou dessa forma e se ele falou assim nós cremos e falamos do jeito que ele falou.

Uma Exposição das Sete Eras da Igreja, pág. 62

Agora, você vai notar que Jesus está andando sozinho no meio de Suas igrejas. (Sim. Sim. Agora, nessa dispensação do Espírito Santo, Deus está aqui na forma do Espírito Santo andando em meio às Igrejas, mas lembre-se que Jesus disse: "Naquele dia, no dia da dispensação do Espírito Santo, sabereis que Eu estou no Pai", então se o Pai, que é o Espírito Santo, está aqui, então você tem que entender que Jesus está aqui. O irmão Branham está apenas fazendo uma coligação de tudo o que a Bíblia diz.) Não há mais ninguém com Ele. Nem em verdade pode haver, pois Ele sozinho operou a salvação dela, e tendo-a comprado com Seu próprio sangue Ele a possui. Ele é o seu Senhor e Mestre. Ela Lhe presta toda a glória e essa glória Ele não compartilhará com outro. Não há nenhum papa com Ele. Não há nenhum bispo com Ele. Maria, a mãe de Seu corpo terreno, não está com Ele. Ele não fala e volta-Se para um Pai, pois Ele é o Pai...

Sim, é o Espírito Santo, é o Pai de Jesus Quem está aqui. Mas Deus está aqui usando o segundo nome de Filho: "Filho de Deus". Então Ele não está Se dirigindo para um outro, porque é o próprio Deus que está aqui, mas como Ele está usando a identidade do Filho, você pode dizer que é o Filho que está em meio às Igrejas. O irmão Branham não está entrando em conflito nem com ele e nem com as Escrituras. Ele diz: "É Ele, Ele é o Pai". Agora, como que isso é possível? Porque Jesus disse: "Naquele dia sabereis que Eu estou no Pai". Mas antes de mais nada, procure sempre ter em mente que o irmão Branham está aqui repreendendo a doutrina trinitária das três pessoas da Divindade, como dizendo: "Não é um Deus Filho que Se volta para um Deus Pai". Porém ele não está combatendo a trindade com a doutrina da unicidade, como alguns pensam.

Ele não Se volta para dar ordens a um Espírito Santo, (Em outras palavras: "Tampouco é um Deus Filho Se voltando para um Deus Espírito Santo") pois Ele é Deus, o Espírito eterno...

Sim, e nessa dispensação do Espírito Santo, como já dissemos, Deus está aqui manifestando também as marcas do caráter do Seu Filho, transmitindo para a Igreja tudo aquilo que o Seu Filho é. Então você pode ter o Seu Filho, o Homem Jesus Cristo, andando em nosso meio. Agora, você sabe porque eu estou lendo isso aqui. Porque alguns irmãos, alguns ministros, usam isso aqui para tentar provar uma doutrina unicista de que esse Filho e Deus são o mesmo Ser e a mesma Pessoa. O que Ele está dizendo é que Ele está compartilhando conosco aquilo que é do Filho, porque Ele disse que "o Espírito vai Se apropriar daquilo que é Meu, Ele vai receber e usar isso e vai identificar-Se com isso." Então Ele está dizendo: "Eu estou no Pai." É isso o que está sendo dito aqui com tudo isso. Porém, Jesus não disse: "Eu sou o Pai", Ele disse: "Eu estou no Pai".

Por Que Melquisedeque é Rei e Príncipe ao Mesmo Tempo?

Esse entendimento que o irmão Branham nos oferece com a sua mensagem nos ajuda também a compreender a própria Pessoa de Melquisedeque. O irmão Branham ensina em seus sermões que Melquisedeque era Deus, e ele também vai chamar Melquisedeque de "O Grande Príncipe e Rei". O Grande Príncipe e Rei Melquisedeque.

Quando Melquisedeque, que é Deus, esteve lá na Filiação, na dispensação da Filiação, no corpo de carne do Seu Filho, você tinha ali o Grande Rei Melquisedeque, mas você também tinha o Filho, porque no sermão da série "Hebreus", o irmão Branham vai dizer que Melquisedeque era o Rei, e ele vai dizer também que Jesus era o Filho de Melquisedeque. Então se Jesus é o Filho de Melquisedeque, Ele tem que ser o Príncipe. Portanto lá na dispensação da Filiação, quando você tinha Deus no corpo de carne do Seu Filho, Deus sem medida, você tinha ali também uma prefiguração do que vai acontecer no Milênio. Porque ali você tinha Melquisedeque, o Grande Príncipe e Rei, e você também poderia ter tido a mesma situação lá nos tempos de Abraão, porque existem alguns sermões onde você vai ver o irmão Branham dizendo que o Filho também estava em Melquisedeque, e ele usou exatamente essa palavra "Filho". Por que isso? Porque o Filho sempre esteve no Pai. Ele disse: "Eu estou no Pai". A única diferença é que nessa dispensação atual Ele disse: "Você entenderá isso", porque Ele estaria em nós.

Então quando aquele Melquisedeque conversava com Abraão, você tinha, como disse o irmão Branham, "a parte anterior de Jesus Cristo", porque ali você tinha o Grande Príncipe e Rei Melquisedeque, e quando esse mesmo Melquisedeque esteve em carne humana, você sabe que havia uma diferença entre os dois tipos de corpos. Aquele corpo de Melquisedeque nos dias de Abraão era um corpo criado, mas o corpo de Jesus Cristo era um corpo gerado no ventre de uma mulher. No entanto, ali você tem Deus em plenitude em um corpo de carne. Então você tinha ali Melquisedeque, o Grande Príncipe e Rei, usando o título de "Filho do Homem". Hoje esse Melquisedeque está entre nós usando o título de "Filho de Deus". No Milênio, Melquisedeque, o Grande Príncipe e Rei, estará usando lá o título ou nome de "Filho de Davi". E o que é o título de "Filho de Davi"? Se Davi era um rei, então o seu filho terá que ser um príncipe, e como Ele estará entre nós como "Filho de Davi", isso significa que Ele terá que estar também como um príncipe, além de rei. Então lá no Milênio você vai ter outra vez o Grande Príncipe e Rei, Melquisedeque, reinando em carne humana, porque é isso que vai acontecer.

Somente no Milênio o Pai Voltará a Estar Encarnado no Filho

E observe que quando Jesus disse aqui em João 14:20... antes disso Ele vai dizer: "Eu estou no Pai e o Pai está em Mim". Mas se prestar muita atenção, quando você chegar no versículo 20, Ele disse: "Naquele dia sabereis que Eu estou no Pai...". Por acaso Ele disse a mesma coisa como antes "...e o Pai está em Mim"? Não! Ele não disse. Você percebeu isso? Jesus pulou essa parte. Nas outras ocasiões Ele disse: "Eu estou no Pai e o Pai em Mim", mas quando Ele disse "Naquele dia", Jesus estava Se referindo a um outro dia, o qual é essa dispensação atual do Espírito Santo, e para essa dispensação Ele apenas disse: "Eu estou no Pai". Mas Ele não disse "e o Pai está em Mim". O que Ele disse depois foi apenas isso: "Eu estou em vós e vós em Mim". Por que será que Ele deixou a parte "e o Pai está em Mim" de fora? Por que isso? Porque Ele não poderia dizer isso.

Quando Jesus mencionava que o Pai estava Nele, estava Se referindo àqueles Seus dias na carne, na dispensação da Filiação, quando o Pai estava ali em plenitude no corpo de carne do Seu Filho Jesus Cristo. Mas quando Ele disse "Naquele dia" Jesus estava Se referindo a essa dispensação atual do Espírito Santo, onde nessa dispensação Deus está usando um único ofício, o ofício de Espírito Santo. Nesse momento Deus não está em plenitude no corpo de carne do Seu Filho que se encontra no trono de Deus no Céu. Lembra-se do que o irmão Branham disse? "Deus partiu o Seu Filho em duas partes e colocou o Seu corpo lá no trono do Pai e o Espírito Santo que estava antes encarnado naquele corpo de carne regressou para nós". Foi por essa razão que o Filho não pôde dizer: "Naquele dia Eu estarei no Pai e o Pai estará em Mim", porque o Pai só voltará a habitar em plenitude outra vez no corpo de carne do Seu Filho quando Ele estiver aqui reinando no Milênio, e isso não será agora, mas somente depois que essa dispensação atual terminar.

Veja que são coisinhas pequenas que as pessoas desconsideram, mas é exatamente a mensagem de William Branham que ajuda você a compreender tudo isso. Então hoje nós temos esse entendimento; hoje nós podemos dizer como William Branham, de que o Filho está aqui conosco na forma do Espírito Santo e fazendo a mesma obra que Ele fez quando esteve aqui na forma do Espírito Santo. Nós cremos, nós confiamos e nós descansamos nisso. Nós cremos que Deus está fazendo em nós uma obra que é combatida e que tem tido o seu progresso e que Deus tem trabalhado conosco e Deus tem usado os Seus homens, os Seus servos, mensageiros, e nesse último dia, Ele usou William Branham.

Nunca a Igreja de Jesus, a Noiva de Jesus, tem adquirido uma maturidade acerca de Deus e da Sua Palavra como nesse dia. E esse é o objetivo de Deus, de que nós possamos ter essa maturidade e de podermos ser fiéis a essa Palavra que Ele nos outorgou e que possamos manifestar essas marcas do caráter do Seu Filho em nossas vidas. Amém.

Nota: Esse texto foi transcrito do áudio original pelo irmão Carlos Rosa.